Página Inicial



twitter

Facebook

  Notícia
|

 

OTAN E GOVERNOS EUROPEUS SOFREM ATAQUE CIBERNÉTICO ´MINIDUKE´

28/02/2013

Hackers atacaram na quarta-feira dezenas de sistemas informáticos de órgãos públicos da Europa, graças a uma falha num software da empresa Adobe Systems, segundo pesquisadores de segurança digital. A Otan também disse ter sido alvo.


A aliança militar ocidental afirmou que seus sistemas não foram comprometidos, mas que os detalhes do ataque estão sendo informados a Estados membros da Otan. Especialistas em segurança dizem que governos e organizações como a Otan são atacados diariamente, mas com graus muito variados de sofisticação.

Esses ataques em particular pareceram ser disseminados e inovadores, segundo firmas privadas de segurança digital que anunciaram a descoberta. Um especialista afirmou que um Estado-nação pode estar por trás deles.

O Kaspersky Lab, da Rússia, e o Laboratório de Criptografia e Segurança de Sistemas (CrySys), da Hungria, disseram que entre os alvos dos ataques estão governos da República Tcheca, Irlanda, Portugal e Romênia.

Eles também disseram que o software malicioso, batizado de MiniDuke, atacou uma instituição de estudos, um instituto de pesquisas e um provedor de serviços de saúde dos Estados Unidos, um importante instituto de pesquisas da Hungria, além de outras entidades na Bélgica e Ucrânia.

Os pesquisadores suspeitam que o MiniDuke se preste à espionagem, mas ainda estão tentando descobrir o objetivo final do ataque.

"Este é um tipo ímpar, novo e muito diferente de ataque", disse Kurt Baumgartner, pesquisador-sênior de segurança do Kaspersky Lab. "Os indicadores técnicos mostram que esse é um novo tipo de ameaça que não havia sido relatada antes."

Ele não quis especular sobre quem seriam os responsáveis.

O malware explora uma falha de segurança recentemente identificada nos softwares Reader e Acrobat, da Adobe. A empresa disse que uma correção disponibilizada na semana passada deve proteger os usuários do MiniDuke, mas é preciso instalá-la.

Boldizsár Bencsáth, chefe do grupo de estudos de malwares do CrySyS, disse à Reuters que a sofisticação e os alvos dos ataques apontam para a autoria de um Estado nacional, mas afirmou ser difícil identificar o país envolvido.

Não ficou imediatamente clara a gravidade do ataque, nem exatamente quais foram os alvos ou qual o grau de alerta em que os governos europeus se encontram por causa disso.
 
 
 
Fonte: Uol

 
Indique esta notícia Indique esta notícia para um amigo

Início Notícias  | Voltar