Página Inicial



twitter

Facebook

  Notícia
|

 

CHINA TEM GRUPO DE CIBERESPIONAGEM QUE ROUBA SEGREDOS DOS EUA

20/02/2013

 

A empresa de segurança Mandiant disse em um relatório liberado nesta terça (19/2) que um grupo que vinha sido investigado, chamado de Ameaça Avançada Persistentes (APT1), é uma organização de ciberespionagem que conta com o apoio do governo chinês.

Na tentativa de identificar a organização por trás dessa atividade, nossa pesquisa mostrou que a Unidade 61398, do Exército Popular de Libertação (PLA), é semelhante ao APT1 em sua missão, capacidades e recursos, disse a Mandiant em seu relatório. Essa Unidade se encontra precisamente na mesma área em que as atividades do APT1 parecem se originar.

A Unidade 61398 está localizada em um edifício de 130 mil metros quadrados na rodovia Datong, em Gaoqiaozhen, em Pudong New Area (distrito de Xangai).

A natureza do trabalho da unidade é considerada pela China um segredo de Estado, mas a Mandiant acredita que ela está envolvida em operações maliciosas de redes de computadores.

O grupo tem um histórico suspeito, de acordo com empresa de segurança, que desde 2006 observou o APT1 comprometer 141 companhias distribuídas por 20 grandes indústrias - sendo 87% delas sediadas em países onde o inglês é a língua nativa, e estão em setores que a China identificou como estratégico.

O APT1 utiliza ferramentas que a empresa de segurança identificou não serem utilizadas por outros grupos, incluindo duas ferramentas para roubo de e-mails chamadas GETMAIL e MAPIGET.

Uma vez que o grupo estabeleceu o acesso, periodicamente revisita a rede da vítima durante vários meses ou anos para roubar propriedade intelectual, incluindo projetos de tecnologia, processos de fabricação, resultados de testes, planos de negócios, documentos importantes, acordos de parceria, e-mails e listas de contatos pertencentes aos líderes das organizações-alvo, disse a Mandiant.

O Ministério das Relações Exteriores da China disse nesta terça-feira que o país se opõe firmemente à pirataria, e apoiou a regulamentação para evitar ciberataques. O governo já havia negado as acusações de que hackers chineses atacaram dois grandes jornais dos Estados Unidos.

O país também tem sido vítima de hacking, com a maior parte dos ataques originados dos EUA, disse o porta-voz do ministério Hong Lei, durante uma conferência de imprensa. Ataques cibernéticos são transnacionais e anônimos. É muito difícil rastrear a origem dos ataques. Eu não sei como esta evidência no relatório é sustentável, acrescentou.Um novo relatório relacionou um grupo de ameaça cibernética, especificamente uma unidade disfarçada sob o nome Unit 61398, ao Exército de Libertação Popular da China.
 
 
 
 
Fonte: IdgNow

 
Indique esta notícia Indique esta notícia para um amigo

Início Notícias  | Voltar