Página Inicial



twitter

Facebook

  Notícia
|

 

NOVA LEI PROÍBE COBRANÇA ADICIONAL EM ENTREGA AGENDADA DE PRODUTOS DE E-COMMERCE

19/02/2013

A nova lei da entrega proíbe empresas de comércio eletrônico de cobrarem valores adicionais para as entregas agendadas. O projeto de lei 682/2012 é de São Paulo, mas prevê que companhias em outros locais, desde que tenham operações no estado, também devem seguir a nova regra.

Nessa opção de entrega, os clientes podem escolher o período em que desejam receber o produto, de acordo com os turnos das empresas. O serviço já era obrigatório, mas agora fica isento de cobranças.

Sancionada no início de fevereiro pelo governador Geraldo Alckmin, a lei causou algumas reações adversas. A Fecomércio-SP afirmou em nota que a decisão “é prejudicial aos empresários e consumidores paulistas, pois acarretará na qualidade das entregas e no custo dos produtos”.

A medida pode acarretar um aumento no preço dos produtos vendidos em lojas online. "Quem disse que não vão cobrar? Esse custo será embutido no produto. É uma ideia boa, mas que tem implicações que não são nada desprezíveis nem triviais. Tanto que a entrega agendada é cobrada", disse Claudio Felisoni, presidente do conselho do Provar (Programa de Administração do Varejo) da USP.

Outro problema é que os Correios, que entregam de 40% a 50% dos 60 milhões de compras anuais pela web, não têm como garantir entrega agendada, destaca Pedro Guasti, presidente do conselho de comércio eletrônico da Fecomercio. 
Procurados pela Folha de S. Paulo, os Correios não comentaram o assunto, informando apenas que que não estão sujeitos à lei paulista e que legislar sobre serviço postais é tarefa da União. 

 
 
 
Fonte: Adrenaline

 
Indique esta notícia Indique esta notícia para um amigo

Início Notícias  | Voltar