Página Inicial



twitter

Facebook

  Notícia
|

 

SUPERGENE SUSTENTA COMPORTAMENTO SOCIAL

17/01/2013

A complexa estrutura social da formiga-de-fogo (´Solenopsis invicta´), um inseto invasivo de rápida disseminação que deve seu apelido à picada dolorosa, é possibilitada por uma fusão de DNA conhecida como supergene, informaram biólogos esta quarta-feira.

Este é o primeiro estudo a vincular supergenes ao comportamento animal, reportaram cientistas em artigo publicado na revista Nature, antecipando que um efeito similar pode ser encontrado em outras espécies.

Nativas da América do Sul e comuns no Brasil, as formiga-de-fogo se organizam em dois tipos distintos de estrutura social, um com uma rainha única para toda a colônia e outro com centenas de rainhas.

Embora pertençam à mesma espécie, as operárias de cada grupo matariam as rainhas do outro, explicaram os pesquisadores.

Os dois grupos também diferem psicologicamente entre si. Um produz rainhas grandes que acumulam muita gordura e saem para iniciar novas colônias, onde alimentam suas primeiras larvas com as próprias reservas corporais. O outro grupo produz rainhas menores que permanecem em uma colônia estabelecida com as operárias e outras rainhas.

Os cientistas identificaram previamente uma variação genética entre os dois grupos, mas tiveram dificuldades em explicar como uma única mutação genética poderia gerar tantas diferenças psicológicas e sociais.

"As pessoas especularam que poderia ser um supergene e agora isto se confirmou", disse à AFP o biólogo Andrew Bourke, da Universidade de East Anglia, em um comentário do artigo.

"Há outros casos conhecidos em que supergenes afetam traços complexos. Mas este é o primeiro caso em que se mostra um supergene sustentando um comportamento social complexo em um animal", acrescentou.

Um supergene é um arranjo de genes vizinhos em um cromossoma que de alguma forma se fundem e são passados adiante, sem alterações, de geração para geração.

Neste caso, os cientistas encontraram duas variações de um supergene em um par de cromossomas da formiga, compreendendo mais de 600 genes ou cerca de 60% do cromossoma.

"Esta é a primeira descrição de um cromossoma social", escreveram os autores. "É provável que estes supergenes que afetam a organização social também existam em outros insetos sociais", acrescentaram.

Segundo Bourke, no que diz respeito aos seres humanos, não há evidências até agora de que supergenes estejam envolvidos de alguma forma em nossa organização social.

O autor principal do estudo, Laurent Keller, afirmou à AFP que as descobertas podem ser úteis para combater a praga de formigas, como por exemplo levar à fabricação de um produto químico contendo uma versão sintética daquela parte do supergene que faz as operárias matarem as rainhas rivais, fazendo-as se voltar contra as suas próprias, o que eliminaria a colônia.
 
 
Fonte: Uol

 
Indique esta notícia Indique esta notícia para um amigo

Início Notícias  | Voltar