Página Inicial



twitter

Facebook

  Notícia
|

 

APPLE LANÇA IPHONE 5 NA CHINA, MERCADO ESSENCIAL MAS PROBLEMÁTICO

17/12/2012

O lançamento do iPhone 5 na China, nesta sexta-feira (14) --mesmo dia em que chegou ao Brasil--, deve permitir que a Apple reverta em alguma medida a queda de participação naquele que parece ter se tornado o maior mercado mundial de smartphones, mas as esperanças de longo prazo da empresa podem depender de uma tecnologia que está sendo testada pela maior operadora chinesa de telefonia móvel.

A Apple está negociando um acordo com a China Mobile há quatro anos. Um acordo com a maior operadora chinesa é visto como crucial para melhorar a distribuição da Apple em um mercado com 290 milhões de usuários --e que deve dobrar neste ano.

A China é o segundo maior mercado da Apple, respondendo por 15% de seu faturamento, e onde a empresa cresce mais rapidamente, mas a falta de acordo entre a companhia e a China Mobile significa que ela não tem acesso a grande número de usuários de celulares.

Peter DaSilva/The New York Times
O
O iPhone 5 durante evento nos EUA; aparelho chega hoje ao Brasil e à China

À medida que o bolo cresce na China, as vendas da Apple também o fazem, mas sem a China Mobile sua participação vem declinando com relação à de outras marcas.

Em termos absolutos, isso (o lançamento do iPhone 5) certamente resultará em fortes vendas para a Apple na China. Mas em termos relativos não creio que vá alterar muito a situação de sua participação de mercado, disse Shiv Putcha, analista da consultoria mundial de tecnologia Ovum, em Mumbai.

Nesta sexta, havia apenas uma pessoa esperando diante da loja da Apple no centro financeiro de Xangai quando foram abertas as portas, às 9h, o que contrasta com o lançamento do iPhone 4, no começo do ano, quando multidões desordeiras jogaram ovos em uma loja da Apple em Pequim.

A China Mobile e a Apple inicialmente declaravam que apenas uma questão técnica as separava --as redes 3G chinesas adotam padrão diferente das dos outros países--, mas a divergência evoluiu para questões mais amplas e complexas de divisão de receita.

A China Mobile e a Apple ainda precisam resolver muitas questões, como o modelo de negócios, os termos de cooperação e a divisão de receita, mas creio que chegaremos a um acordo, disse o presidente-executivo da China Mobile, Li Yue, à imprensa chinesa, em Guangzhou, na semana passada.

A Apple China se recusou a comentar o assunto. A China Mobile afirmou que não tinha novidades a informar sobre as discussões com a Apple.
 
 
 
Fonte: Folha

 
Indique esta notícia Indique esta notícia para um amigo

Início Notícias  | Voltar