Página Inicial



twitter

Facebook

  Notícia
|

 

RIO DE JANEIRO INVESTE R$ 10 MILHÕES EM GAMES PARA EDUCAÇÃO

14/11/2012

Uma sala de aula com lousas digitais, 40 laptops, televisões de 42 polegadas, projetor, quadro branco e mobiliário adequado para o uso de todas essas tecnologias já recebe alunos do Ensino Médio de uma escola carioca localizada em Manguinhos, zona norte do Rio de Janeiro. Os jovens aprendem matemática por meio de games e material eletrônico preparado por cientistas e educadores. A iniciativa é da Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan), que há pouco mais de um mês lançou o programa Sesi Matemática. Sesi é o Serviço Social da Indústria, entidade à qual a Firjan é vinculada. O investimento inicial é de R$ 10 milhões.

O objetivo do programa é criar um caso de sucesso de melhoria de desempenho em matemática, um dos pontos mais fracos da educação brasileira. Além dos jogos, o conteúdo engloba 40 mil questões sobre a disciplina e foi desenvolvido pela Mangahihg, empresa inglesa especializada em games educativos. O conteúdo será atualizado anualmente com a ajuda de educadores.

“O objetivo dos games é fazer com que os alunos testem os conceitos de forma divertida, tenham mais proximidade com a matemática e vejam a importância que ela tem, através de teoria e prática, simultaneamente", diz Andréa Marinho, diretora de Educação da Firjan. "É uma ferramenta utilizada para engajamento à matemática e para tornar a aula interativa e dinâmica. Na visão do professor, o objetivo é melhorar o desempenho dos estudantes e ter melhor controle do resultado de cada aluno, turma e escola", diz Andréa.

Os professores envolvidos foram capacitados em 13 módulos, que cobrem o currículo nacional do Ministério da Educação (MEC) para o Ensino Médio. As aulas serão dadas de forma presencial e a distância, com coordenação pedagógica do Sesi. A partir do ano que vem, a formação estará disponível para professores de todo o país por meio da internet.

Melhores profissionais

De acordo com a federação das indústrias, notas mais altas em matemática podem se refletir em melhores profissionais daqui a alguns anos. “Nossas empresas sofrem com a falta de profissionais qualificados. Em um mundo onde as companhias precisam ser competitivas para brigar globalmente por mercados, não podemos nos dar ao luxo de ficar para trás por falta de gente bem preparada”, ressaltou o presidente da Firjan, Eduardo Eugenio Gouvêa Vieira, durante o lançamento do programa.

No último exame do Programa Internacional de Avaliação de Alunos (Pisa), realizado em 2009, os estudantes brasileiros ficaram na 53ª posição no ranking de desempenho em matemática. Uma pesquisa da Firjan realizada em 2011 apontou a a falta de competência nessa matéria e em raciocínio lógico como grandes deficiências dos trabalhadores fluminenses.

Após o período de testes na escola de Manguinhos, o programa será estendido a 11 escolas estaduais do Rio de Janeiro, além das instituições educacionais relacionadas ao Sesi. A lista completa dos colégios públicos está abaixo. As escolas foram indicadas pela Secretaria de Educação.

No ano que vem, a Firjan também deve inaugurar a Casa Sesi Matemática, espaço de 9.300 m2 que será o centro do programa e local de produção e disseminação de conteúdo e de novas formas de ensino da disciplina. A meta é levar o programa a 1.025 escolas fluminenses até 2015. O Instituto de Matemática Pura e Aplicada (Impa) será parceiro no desenvolvimento técnico do espaço.

O programa Sesi Matemática tem como parceiros o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, que apoia as ações do programa e sua disseminação em âmbito nacional, do Impa, que chancela o sistema de avaliação do impacto do programa e será responsável pelo desenvolvimento do conteúdo técnico da Casa Sesi Matemática, da Secretaria Estadual de Educação do Rio e da Mangahigh, da Inglaterra.

 
Fonte: Convergencia Digital

 
Indique esta notícia Indique esta notícia para um amigo

Início Notícias  | Voltar