Página Inicial



twitter

Facebook

  Notícia
|

 

CELULAR, TABLET E NOTEBOOK SÃO SONHOS DE CONSUMO DOS BRASILEIROS

09/05/2012

Pesquisa inédita realizada pela Associação Nacional das Instituições de Crédito, Financiamento e Investimento (Acrefi) em conjunto com o Instituto Data Popular revela que os três produtos mais desejados pelos brasileiros em 2012 são respectivamente: celular (37 milhões de pessoas), notebook (32,4 milhões) e tablet (25,6 milhões). A pesquisa intitulada "Desejos de Consumo do Brasileiro em 2012" - Acrefi-Data Popular foi realizada entre dezembro de 2011 e janeiro de 2012, com 1019 entrevistados de todo o País.

"Quanto às formas de pagamento, a maioria prefere parcelar as aquisições de notebooks e tablets. Em relação à compra de celulares, a preferência é pelo pagamento à vista.", comenta o economista-chefe da Acrefi, Nicola Tingas.

A pesquisa confirma que a demanda de Crédito de Consumo continua alta no Brasil. De um modo geral, 61% dos brasileiros desejam comprar a prazo em 2012, enquanto 39% declararam querer fazer compras à vista.

?Mesmo com a dificuldade de pagamento de dívidas iniciada a partir da forte contração do ritmo de crescimento da economia em 2011, o brasileiro quer poder continuar a ter um padrão de consumo e de vida mais compatível com o desenvolvimento do país e de sua ascensão em termos de emprego e renda?, diz Tingas.

Em relação às intenções de pagamento à vista versus parcelamento, há diferenças entre as classes emergente (C, D e E) e as classes altas (A e B): enquanto o pagamento a prazo por itens como notebooks, tablets e celulares respondem, respectivamente, por 51,%, 50% e 41,3% das pretensões de compra das classes C, D e E; o indicador de compras a prazo vai, respectivamente, para 59%, 68,9% e 51,3% dos mesmos produtos.

"As classes A e B também pretendem comprar a maioria dos bens a prazo em 2012. Independente da compra ser feita para uso individual ou familiar. Apenas para os casos de fogão e jogo de quarto, pagamento à vista é o preferido", afirma o diretor do Instituto Data Popular, Renato Meirelles.
 
 
 
 
Fonte: IdGNow

 
Indique esta notícia Indique esta notícia para um amigo

Início Notícias  | Voltar