Página Inicial



twitter

Facebook

  Notícia
|

 

FRACASSA LANÇAMENTO DE FOGUETE NORTE-COREANO

13/04/2012

O foguete lançado pela Coreia do Norte nesta sexta-feira explodiu e se desintegrou logo depois do lançamento, mas a tentativa foi classificada de "provocação" por Coreia do Sul e Estados Unidos, que acusaram o país de disparar um míssil balísco.

"Poucos minutos depois do lançamento, o foguete explodiu e se desintegrou em diversos pedaços" sobre o Mar Amarelo, afirmou o porta-voz do Ministério da Defesa sul-coreano, Kim Min-Seok.

"Os pedaços caíram no oceano a cerca de 200 km a oeste de Kunsan", informou uma alta fonte militar citada pela agência sul-coreana Yonhap.

O ministro japonês da Defesa, Naoki Tanaka, disse que o foguete "voou durante pouco mais de um minuto antes de cair no oceano". O lançamento ocorreu às 07H39 local (19H39 de sexta-feira).

A República Popular Democrática da Coreia (RPDC) admitiu o fracasso no lançamento de seu foguete para colocar em órbita um satélite de observação, "que não pôde entrar em órbita".

"Os cientistas, técnicos e especialistas estão analisando as razões deste fracasso", informou a agência oficial KCNA.

A Coreia do Norte pretendia colocar em órbita um satélite Kwangmyongsong-3 (Estrela Brilhante) com objetivos pacíficos, segundo Pyongyang, mas os Estados Unidos afirmam que o artefato lançado pelos norte-coreanos foi um "míssil Taepodong-2".

"Os sistemas americanos detectaram e acompanharam o lançamento de um míssil norte-coreano Taepodong-2 às 18H39 (19H39 de Brasília)", informou o comando da defesa aérea americano (Norad).

O Taepodong-2 é um míssil balístico intercontinental com alcance entre 6.000 e 9.000 km.

Chamado de Unha-3 pelos norte-coreanos, o foguete foi lançado por Pyongyang do centro espacial de Tongchang-ri, no noroeste do país, para comemorar o centenário de nascimento do fundador da República Popular Democrática da Coreia (RPDC), Kim Il-Sung, nascido em 15 de abril de 1912 e falecido em 1994.

A Coreia do Sul condenou o lançamento e o classificou de "ato de provocação" que representa uma ameaça à paz e à segurança da península coreana e do nordeste da Ásia, disse o chanceler Kim Sung-Hwan.

Os Estados Unidos foram na mesma linha e afirmaram que apesar de o lançamento ter falhado, representou um ato provocativo que infringe acordos passados e ameaça a segurança asiática.

"A Coreia do Norte só ganhará mais isolamento ao cometer atos de provocação, e está desperdiçando dinheiro em armas e em propaganda enquanto a população norte-coreana passa fome", disse o porta-voz da Casa Branca, Jay Carney.

O secretário-chefe de gabinete japonês, Osamu Fujimura, destacou que "mesmo tendo falhado, foi uma grave provocação a nosso país e viola resoluções do Conselho de Segurança da ONU". "Fizemos duros protestos por meio dos canais diplomáticos."

O G8 condenou o lançamento, afirmando que adotará as "ações apropriadas" no Conselho de Segurança das Nações Unidas.

Os chanceleres do Grupo dos Oito, reunidos nesta quinta-feira em Washington, assinalaram que o lançamento norte-coreano "mina a estabilidade e a paz regional".

O Conselho de Segurança das Nações Unidas convocará uma reunião de emergência na sexta-feira para discutir a situação na península coreana, disse um diplomata na ONU.

A fonte explicou à AFP que os 15 membros do Conselho se reunirão "para decidir seus próximos passos" após o lançamento (fracassado) do foguete.

Estados Unidos e seus aliados haviam advertido que o lançamento seria uma violação das resoluções 1718 e 1874 do Conselho de Segurança da ONU .

A resolução 1874, aprovada em 2009, exige que Pyongyang "não realize qualquer teste nuclear ou lançamento que empregue tecnologia de míssil balísticos".

O ministro das Relações Exteriores alemão, Guido Westerwelle, condenou o lançamento do foguete e pediu do Conselho de Segurança da ONU uma resposta "forte".

"Condeno o lançamento de um foguete da Coreia do Norte. É uma violação das obrigações internacionais e aumentará as tensões na península coreana", declarou à AFP o ministro durante uma visita a Nova York.

"O Conselho de Segurança das Nações Unidas deve responder energicamente a esta violação da lei internacional", completou o chanceler.
 
 
 
 
Fonte: Uol

 
Indique esta notícia Indique esta notícia para um amigo

Início Notícias  | Voltar