Página Inicial



twitter

Facebook

  Notícia
|

 

PESQUISADORES DESENVOLVEM MÉTODO PARA DECIFRAR CAPTCHAS EM VÍDEO

23/02/2012 01:00:00

Pesquisadores da Universidade de Stanford descobriram uma maneira de decodificar captchas de vídeo, do tipo dos implantados por empresas como a NuCaptcha, com uma taxa de sucesso de 90%.

Captchas são aqueles códigos com letras e números "tortos", feitos para impedir que robôs façam spam em sites.

Em vez de apresentar aos usuários uma estática convencional, a versão NuCaptcha de vídeo exibe texto em rotação  que também se move da esquerda para a direita na tela. Em teoria, isso torna muito mais difícil para os sistemas de spam automatizados detectarem com segurança quais os elementos do imagem são os corretos.

Isso vinha funcionando bem - até agora.

Depois de converter os vídeos NuCaptcha em quadros individuais, a imagem de fundo foi removido pelos pesquisadores e as letras restantes transformadas em uma imagem preto e branco para facilitar o processamento.

A equipe então usou algoritmos para nomear os objetos mais interessantes em cada quadro, acompanhando-os conforme os quadros passavam. Em seguida, refinaram o número de objetos por estimar o provável tamanho mínimo do Captcha, submetendo os demais a um algoritmo projetado para distinguir as letras normais das rotacionadas (ou "torcidas")

Como os pesquisadores tinham vários quadros para cada captcha que estavam tentando quebrar - uma característica de qualquer Captcha em vídeo - eles acabaram com mais dados para fazer uma análise padrão usando ferramentas familiares no campo de visão robótica.

Ou seja: decodificar os códigos em vídeo acabou sendo mais fácil, porque eles oferecem mais dados do que os estáticos para realizar uma análise.

A equipe disse que sua técnica de cracking funcionou de 80% a 100% das vezes, dependendo das algoritmos de análise utilizados para isolar as letras do campo em movimento.

Os pesquisadores disseram que trabalharam em estreita colaboração com a NuCaptcha durante a investigação.

A empresa diz que o sistema "não é invulnerável", e que deve ser melhorado em breve, de modo a tornar mais difícil isolar as letras.
 
 
 
Fonte: IdgNow

 
Indique esta notícia Indique esta notícia para um amigo

Início Notícias  | Voltar