Página Inicial



twitter

Facebook

  Notícia
|

 

PARA COMPROVAR ANÚNCIOS ILEGAIS NO GOOGLE, EUA USARAM ESTELIONATÁRIO COMO ISCA

27/01/2012 01:00:00

O ?Wall Street Journal? publicou nesta quarta-feira (25) uma história digna de filme sobre como o gigante das buscas Google aceitou publicar anúncios de empresas que nem sequer existiam, vendendo substâncias controladas sem receita. A ação envolveu um estelionatário que está preso e US$ 200 mil (cerca de R$ 348 mil) em dinheiro do governo. Como resultado, as atividades do Google vieram à tona e a empresa foi multada em US$ 500 milhões na ação movida pelo governo.     

David Whitaker, 37, preso por estelionato, participou das investigações durante quatro meses em 2009, fingindo ser o representante de vendedores online de substâncias controladas ? os detalhes da operação só foram divulgados nesta semana pelo ?WSJ?. ?Por um lado, eu me sentia mal, pois aprendi a gostar dessas pessoas. Por outro, eu sabia que eles tinham consciência de estar fazendo algo errado?, escreveu Whitaker em anotações sobre a operação, às quais o jornal teve acesso.

Prisão
Nascido no Tennessee, Whitaker já havia negociado anos antes com o Google, anunciando nas buscas da empresa esteroides e hormônios para crescimento humano. Na época (2006), ele havia fugido para o México e criou essa farmácia online com produtos que exigem receita nos Estados Unidos ? portanto, segundo a política do Google, não poderiam ser anunciados.  

?Estava muito claro para o Google que meu site não era uma farmácia legalizada. Sabendo disso, a empresa me ofereceu uma linha de crédito generosa e permitiu que eu direcionasse meus anúncios para os consumidores norte-americanos?, contou, segundo o ?WSJ?.

Whitaker foi preso no México em março de 2008, por entrar ilegalmente naquele país. Deportado para os Estados Unidos, ele respondeu por diversos crimes cometidos anteriormente (fraude, conspiração e tentativa de suborno). Às autoridades, o estelionatário contou como o Google ajudava no comércio das farmácias estrangeiras. Essa foi a origem da operação que multou o Google em US$ 500 milhões (cerca de R$ 870 milhões).

Diagnosticado com transtorno bipolar, segundo seus advogados, Whitaker começou seu histórico de compulsão por gastar e fraudes aos 16 anos. Na época, ele furtou o cartão de crédito da mãe, alugou um avião particular e levou a namorada para fazer compras em Knoxville.

Em 2005, ele ganhou milhões de dólares ao anunciar iPods e outros eletrônicos abaixo do preço, para então fugir sem entregar os produtos. Ele rodou os Estados Unidos de jato particular, fugindo das autoridades, e alugou por um curto período uma mansão em Miami por US$ 200 mil (cerca de R$ 348 mil) ao mês. Depois fugiu para o México, onde começou a vender remédios controlados com a ajuda do Google.

Whitaker, que se declarou culpado em dezembro e foi condenado a seis anos de prisão, deve ser solto em dois anos ? a pena máxima era de 65 anos. Os promotores classificaram sua cooperação como ?extraordinária?.

Plano
Para comprovar se as acusações feitas sobre o Google eram verdadeiras, os promotores públicos montaram a operação no início de 2009, com a ajuda de Whitaker. Durante a semana, ele era escoltado da prisão de Central Falls (em Rhode Island) para o prédio onde antes funcionava uma escola, em North Providence (Rhode Island). Lá, sob a vigilância de agentes federais, montou o esquema para as autoridades terem provas contra o Google.  

Com o nome falso de Jason Corriente, um representante com muito dinheiro de farmácias, o estelionatário conseguiu passar o sistema automático de anúncios do Google, chegando aos executivos de venda da empresa.

Agentes federais criaram o site www.SportsDrugs.net, para vender hormônios de crescimento e esteroides. A princípio, o Google rejeitou os anúncios do site de substâncias controladas e também do www.NotGrowingOldEasy.com, que venderia produtos antienvelhecimento. No entanto, segundo o ?WSJ?, os funcionários do Google passaram depois a trabalhar em parceria com o falso Jason Corriente para burlar as regras da empresa e encontrar formas de realizar os anúncios.

O plano passou a ser mais audacioso quando foram criados sites anunciando medicamentos controlados para perder peso, além de outra página oferecendo a pílula abortiva RU-486. A equipe de anúncios do Google aprovou os sites, fazendo, por exemplo, com que os internautas americanos em busca da pílula abortiva (e controlada nos EUA) visualizassem o anúncio da página fraudulenta.

Montados os sites, supostamente baseados no Canadá, os agentes federais adicionaram links nas páginas para que os internautas comprassem as substâncias sem a necessidade de receita. O jornal afirma que essa iniciativa é contra a lei norte-americana, que proíbe a comercialização de remédios vindos de outros países e sem prescrição médica. ?Teve uma enxurrada de e-mails de gente querendo comprar os hormônios e esteroides?, afirmou o estelionatário sobre o site específico para essas substâncias.

Os agentes conseguiram comprar anúncios para sites que vendiam ? também sem receita -- substâncias controladas como oxícodona e hidrocodona. Eles também conseguiram fazer com que o escritório de vendas da China aprovasse um site que oferecia Prozac e Vallium para internautas norte-americanos, sem a necessidade de receita.

As compras não eram concluídas. Ao tentar fazer a aquisição, os clientes eram informados de que receberiam um ?kit de membro? do site, que então permitiria negociar. Os kits nunca eram entregues, impedindo assim que as negociações avançassem (o objetivo da ação era somente fazer anúncios de conteúdo ilegal).

?Os funcionários do Google serviam como instrumentos para enganar a política da verificação de farmácias. Os sites eram totalmente ilegais?, descreveu Whitaker.

Evidências
Em meados de 2009, os agentes foram até a sede do Google, em Mountain View (Califórnia), para avisar aos executivos sobre as evidências coletadas.

O Google admitiu que havia colaborado de forma imprópria e consciente com farmácias supostamente baseadas no Canadá, que visavam o público norte-americano. ?Banimos há algum tempo os anúncios de farmácias canadenses, de substâncias controladas nos Estados Unidos. No entanto, olhando para trás, fica óbvio que não deveríamos ter permitido esses anúncios no Google?, afirmou a empresa, segundo o ?WSJ?.  

A companhia alega que sua rígida política previne que criminosos utilizem o sistema de anúncios e bane os anunciantes que violam repetidamente suas diretrizes. ?Banimos não apenas os anúncios, mas também os anunciantes que abusam da nossa plataforma. Trabalhamos próximos aos representantes da lei e autoridades do governo para agir contra os mal-intencionados?, afirmou Kent Walker, do conselho geral do Google, à publicação.
 
 
 
 
Fonte: Uol

 
Indique esta notícia Indique esta notícia para um amigo

Início Notícias  | Voltar