Página Inicial



twitter

Facebook

  Notícia
|

 

CLOUD COMPUTING: QUESTÕES QUE AS PMES DEVEM AVALIAR

17/11/2011 01:00:00

A movimentação do mercado indica que a computação na nuvem chegou para ficar e é um caminho sem volta. Ainda existem dúvidas sobre o que é computação em nuvem (cloud computing) e a sua relação com a comercialização de software como serviço (SaaS). Normalmente, as duas tecnologias estão associadas, já que uma complementa a outra.
Cloud é basicamente a utilização de recursos (servidores, programas, processamento etc) remotamente e, independentemente de onde está localizado o recurso, ou seja, em outra cidade ou país, desde que via Internet seja possível acioná-lo de onde quer que esteja sem a necessidade de investir em infraestrutura ou mesmo aquisição de sistemas.

Já SaaS é a forma comercial na qual os software (normalmente hospedado ou baixado da nuvem) deixa de ser licenciado no modelo tradicional e passa a ser considerado como prestação de serviços, de forma que o usuário paga efetivamente pelo que utiliza, sem investimentos antecipados, preocupações com versões e com a garantia da escalabilidade crescente ou decrescente.

Gradativamente, mais empresas irão adotar soluções envolvendo cloud computing. Segundo pesquisa recente da consultoria Frost & Sullivan, o conceito está na prioridade dos  CIOs brasileiros: pelo menos 44% deles já têm conhecimento mediano sobre o assunto e 66% das empresas de grande porte devem investir na computação na nuvem. Outra pesquisa, realizada pelo Gartner em nove países, entre Junho e Julho de 2011, revela que 95% das empresas consultadas vão manter ou elevar os investimentos no modelo de software como serviço e que 30% delas já migraram definitivamente seus aplicativos e sistemas para o conceito. Segundo o mesmo estudo, a utilização de SaaS pelas empresas é relativamente recente, 70% dos atuais usuários migraram para essa modalidade nos últimos três anos, ou seja, embora o conceito exista há mais de dez anos, sua efetiva utilização pelo mercado demorou para começar, mas agora apresenta crescimento exponencial.

Historicamente, o conceito de cloud computing ainda é muito novo e, principalmente, as pequenas e médias empresas (PMEs) ainda têm dúvidas sobre algumas questões. Acredito que elas devem avaliar seis pontos principais antes de optarem pela adoção do conceito:

1-) Segurança. Algumas pessoas acreditam que irão compartilhar informações confidenciais e deixá-las espalhadas pelo espaço, o que definitivamente não é verdade.  É importante ressaltar que a estrutura de segurança existente nos servidores que hospedam os arquivos em Cloud é normalmente muito superior aos modelos tradicionais, já que esses grandes data centers online utilizam de tecnologia de ponta.  Dessa forma, para o mercado PME, a segurança torna-se uma grande vantagem ao aderir cloud e no modelo SaaS, pois poderão contar com essa estrutura robusta -  praticamente as mesmas usadas por instituições de grande porte ? como se fosse o servidor da sua empresa.

Por exemplo, as empresas que oferecem backup online garantem a segurança dos arquivos de várias formas, entre elas por meio de encriptação, ou seja, os dados são codificados na máquina do usuário e permanecem codificados (encriptados) no servidor na nuvem até que o próprio usuário, por meio de suas credenciais de acesso, opte por resgatá-los ao seu computador. Só então serão decodificados. 

2-) Quem é o fornecedor? Da mesma forma que um serviço convencional, as organizações devem buscar empresas conceituadas e serviços com credibilidade no mercado. A mesma confiança que é dedicada, por exemplo, a comprar um software e instalar em suas máquinas, é necessária na contratação de um serviço em cloud. É preciso ter referência do fabricante e dos prestadores de serviço. Comece buscando um histórico da empresa, se oferece suporte técnico e quais as garantias oferecidas contra as possíveis adversidades. Além disso, é preciso entender exatamente quais são as finalidades da solução oferecida para ajustar as expectativas da organização.

3-) Link de Internet.  Este com certeza é o ponto de maior sensibilidade na adoção do modelo Cloud.  Infelizmente, a infraestrutura de telecomunicações no Brasil ainda tem muito a evoluir. Não adianta contratar um serviço ?maravilhoso? na nuvem sem um link de internet adequado, pois dificilmente a expectativa será atendida, independentemente da qualidade do fornecedor do serviço. Esse, aliás, é um dos maiores cuidados para evitar possíveis frustrações. Alguns prestadores de Internet oferecem garantia de apenas 10% do total contratado (que é o mínimo garantido pela legislação). 

4-) Escalabilidade  ? Para as PMEs, ter uma solução com escalabilidade é extremamente racional.  Com a computação em nuvem, a tecnologia já está disponível de forma ampla, sem necessidades de adaptações no futuro.   À medida que a empresa cresce, não serão necessários novos investimentos na compra de licenças ou infraestrutura, apenas adequar a quantidade dos serviços já prestados. O mesmo ocorre se por algum motivo for necessário reduzir a quantidade, sem que existam problemas de qualquer espécie.

5-) Custos. A questão da escalabilidade leva imediatamente à discussão em relação às vantagens de custo para as PMEs ao investirem em cloud computing. Com soluções na nuvem, as empresas estão sempre adequadas ao seu momento. Isso evita, por exemplo, que havendo mudança da área de atuação ou redução do número de funcionários, que as licenças compradas no modelo tradicional sejam abandonadas.  A empresa deve sempre ponderar quais os custos vai ter no modelo tradicional e na adoção de software na nuvem. No modelo tradicional, é preciso considerar investimentos em licenças, infraestrutura, servidores, no-breaks, entre outros. A opção de SaaS está ligada à possibilidade de transformar gastos antecipados em despesas mensais adequadas ao volume de utilização, facilitando o fluxo de caixa e a adequação do investimento de informática à realidade da empresa.

6-) O que levar para a nuvem?  É importante ressaltar que qualquer serviço em cloud depende da internet.  Uma rede de supermercado, por exemplo, necessita que as informações sejam armazenadas internamente, mesmo que a empresa seja pequena. Os terminais dos caixas precisam acessar informações e trocar dados de forma constante, sem dependência externa. Em um caso como esse, é desaconselhável trabalhar 100% na nuvem. Já o e-mail, o backup e o antivírus na nuvem são soluções totalmente aconselháveis e já consolidadas pelo mercado.

Existe uma previsão de que 50% dos e-mails no mundo estarão hospedados na nuvem dentro dos próximos três anos, porém para as PMEs essa adoção será ainda mais rápida. É um desafio muito grande manter um servidor de e-mail, dependendo do porte, pois requer uma manutenção considerável. Esse é um bom exemplo para entender onde está a redução de custos. Basta contabilizar o custo de um servidor de e-mail, mais os respectivos softwares e comparar com o custo de manter um serviço baseado em web.  Além disso, as empresas podem contratar serviços adicionais como filtragem anti-spam e antivírus também na nuvem.
 
 
 
 
Fonte: Computerworld

 
Indique esta notícia Indique esta notícia para um amigo

Início Notícias  | Voltar