Página Inicial



twitter

Facebook

  Notícia
|

 

SERASA EXPERIAN MIGRA PARA WINDOWS 7 E AMPLIA PRODUTIVIDADE

23/08/2011

Com um parque de 3 mil desktops, a Serasa Experian, fornecedora de serviços financeiros, contava com máquinas rodando Windows XP SP2/SP3 e diferentes versões do Office, da Microsoft. Diante desse cenário, identificou que era necessário atualizar e padronizar o sistema operacional e o editor de texto dos computadores.

Lisias Lauretti, CIO da Serasa Experian, diz que a mudança foi ao encontro da cultura da empresa, que está sempre em busca de práticas e recursos tecnológicos de ponta que permitam que as pessoas e os negócios ganhem eficiência e agilidade.

Entre os benefícios da atualização, Carlos Alcântara, gerente de sistemas operacionais e armazenamento da Serasa Experian, destaca a padronização do parque, que reduziu o volume de chamados ao help desk e facilitou a implementação de políticas de segurança e de conformidade.

A mudança, segundo ele, criou um ambiente de motivação a melhorias nos métodos e na qualidade do trabalho dos funcionários. "Fizemos workshops para mostrar as inovações mais relevantes, como as facilidades de indexação e busca de documentos", exemplifica.

Alcântara diz ainda que em alguns casos as novas funcionalidades do Office viabilizam vantagens imediatas aos funcionários. "Novidades como a expansão de limites nas tabelas do Excel foram muito bem recebidas, principalmente entre os tomadores de decisão, que usam funções de BI", assinala.

O executivo lembra que um dos desafios do projeto foi a compatibilidade com o legado. "Tínhamos aplicativos em Visual Basic 6. Nos casos em que essas ferramentas são imprescindíveis, garantimos o suporte com a tecnologia Med-V, que cria um ambiente virtual sobre o Windows 7 Enterprise. Isso foi uma grande vantagem", avalia Alcântara.

O gerente de sistemas operacionais e armazenamento da Serasa Experian diz ainda que a virtualização ampliou os horizontes da organização. "A partir de nossa experiência como Windows 7 Enterprise e o App-V, já vislumbramos usar a virtualização como um recurso de recuperação de desastres. Se uma estação for danificada, o usuário baixa seu ambiente de trabalho e seus dados do servidor e continua a trabalhar normalmente", pontua.
 
 
 
Fonte: Computerworld

 
Indique esta notícia Indique esta notícia para um amigo

Início Notícias  | Voltar