Página Inicial



twitter

Facebook

  Notícia
|

 

COMO O ACORDO DA GOOGLE COM A MOTOROLA MUDA O MERCADO DE MOBILIDADE?

23/08/2011

Na última semana a mega-negociação no mercado de mobilidade entre a Google e a Motorola colocou em destaque uma série de questões relacionadas quanto à gigante das buscas, seu modelo de negócio com base na publicidade, assim como o papel e o futuro do sistema operacional móvel Android.

A negociação envolve cinco pontos.

1 - É um negócio motivado pela guerra das patentes.

Nessa linha de raciocínio, a Google viu o Android sob pressão crescente das ações judiciais por violação de patentes da Apple e da Microsoft (e separadamente da Oracle, quanto ao licenciamento do Java), e comprou a Motorola por causa das 24.500 patentes e solicitações de patentes da companhia como uma forma de defesa, para contra-ataques. Entre elas, 17 mil relacionadas à telefonia.

?A Google tentou apresentar a aquisição da Motorola por 12,5 bilhões de dólares como uma oportunidade para ?sobrecarregar o ecossistema Android?, mas está claro que o acordo foi motivado também pelo desejo de proteger seu sistema operacional móvel de futuras ações judiciais usando o portfólio forte de patentes da Motorola?, disse Nilay Patel, no site thisismynext.com.

Ecoando uma opinião generalizada, Patel afirma  que as patentes da Motorola dão à Google um impulso em relação aos seus rivais: eles vão pensar duas vezes sobre iniciar ou continuar ações contra o Android, porque eles se abrem para contra-processos baseados em patentes da Motorola, ou podem ser induzidos a resolver disputas com uma solução mutuamente benéfica por meio de um acordo de licenciamento cruzado.

"As patentes são usadas muitas vezes em um cenário de ´negociatas´, no qual as empresas concedem reciprocamente os direitos de licença de outra tecnologia", declarou o analista da Frost & Sullivan, Craig Cartier.

A estratégia do Google foi amplamente interpretada como uma resposta à sua derrota no leilão de 6 mil patentes da Nortel para um grupo liderado por Microsoft, Apple e Research In Motion, que atingiu imprecedentes 4,5 bilhões de dólares em julho.

"Mas, mesmo com a aquisição, Android ainda terá problemas de patentes", argumenta o analista de wirelessdo grupo IMSResearch, Bill Morelli. "A aquisição não vai ajudar muito, sem algum alívio substancial nos processos de patentes já existentes contra a Motorola e a Google. Além disso, muitos estão vendo esta ação como uma admissão da Google de quão fraco é o portfólio de patentes Android."

O número de patentes da Motorola não revela sua importância ou valor. Na opinião de Florian Mueller, ?um ativista de propriedade intelectual que se tornou analista e consultor sobre patentes móveis", e as patentes da Motorola são muito fracas. E, muito provavelmente, não impedirão que a Apple e a Microsoft continuem processando a Google por violação de patentes.

2 - É um negócio motivado também para ter melhor controle sobre o Android.

?Hoje a plataforma Android é aberta, mas é caótica. Os fabricantes de aparelhos pegam o software de graça e fazem o que querem com ele. O Android está disponível em muitos dispositivos de baixo custo, ruins?, escreveu Farhad Majoo para o portal Slate. "Na sequência deste acordo, o Google vai procurar exercer uma influência maior sobre as fabricantes de hardware. Eventualmente, o acordo vai ajudar a reduzir o número de dispositivos Android lançados a cada ano, e os poucos liberados serão de qualidade superior e serão vendidos a preços mais altos do que o que vemos no mercado de dispositivos Android hoje."

Eles queriam aumentar o controle do ecossistema e manter o negócio de telefonia móvel da Motorola, pode ajudar a limitar a personalização do sistema operacional móvel disponível para parceiros como a HTC e a Samsung, e ainda impulsionar a demanda por novos aparelhos com Android, estimulando outros parceiros convincentes ", afirmou o analista da Frost e Sullivan, Craig Cartier.

Mas essa medida tem seus riscos. O Android tem crescido de forma explosiva, devido ao uso do sistema por sete das dez principais produtoras de aparelhos do mundo, de acordo com Bill Morelli, da IMS Research. "A Google terá que avaliar se maior controle sobre o sistema Android vale a pena, possivelmente, prejudicando fabricantes".

3 - A Google realmente tem uma "estratégia"?

"Não acho que o que os planos da Google estejam suficientemente claros", disse Morelli. "Não posso imaginar que qualquer empresa gastaria US$12,5 bilhões sem ter algum tipo de estratégia em mente."

"Normalmente, quando uma grande fusão de tecnologia acontece, você pode ver a lógica por trás disso", escreveu Michael Mace, ex-executivo da Apple e Palm, e atualmente CEO da startup Cera Technology. "Mas, neste caso, quanto mais eu penso sobre a negociação, mais confuso eu fico."

A Motorola esteve para ser adquirida por diversas companhias, incluindo a Microsoft.

O interesse da Microsoft, especialmente nas patentes da Motorola, despertaram o interesse da Google, logo após o fracaso na negociação das patentes da Nortel, que foram compradas por um consórcio de empresas liderado pela  Microsoft e a Apple. O acordo multibilionário se movimentou rapidamente. ?As conversas de alto nível entre a Google e a Motorola começaram cerca de cinco semanas atrás?, reportou o GigaOM.com. ?O CEO da Google, Larry Page, e o CEO da Motorola, Sanjay Jha, estavam conversando diretamente, e apenas alguns poucos executivos participaram das discussões?.

Espantosamente, ?nossas fontes sugerem que o co-fundador do Android, Andy Rubin participou das reuniões apenas recentemente?.

A Motorola sacodiu o pote. Seu principal acionista, o bilhionário Karl Icahn, pediu publicamente que a empresa "rentabilizasse" as suas patentes e CEO Sanjay Jha sugeriu abertamente que a empresa as usasse como armas para defender seus produtos baseados em Android contra processos por infração e como uma forma de coletar royalties de outros licenciados Android.

"A Google precisava da biblioteca de patentes da Motorola para defender o Android como um todo, mas a Motorola sabia disso, e fez a Google pagar e pagar caro", escreveu John Gruber, no blog DaringFireball.  Ele observa que o lucro líquido da Google durante o último ano fiscal foi de US$ 8,5 bilhões, e de US$ 6,5 bilhões em 2010. "Eles estão oferecendo US$ 12,5 bilhões para Motorola. Então, significa que a Google acabou de usar quase dois anos de seus lucros para comprar uma fabricante de celulares de segunda categoria, que em si, é inútil, quase foi à falência, e é sem dúvida apenas a terceira melhor fabricante de dispositivos Android, atrás da HTC e da Samsung. "

4 - Não importa o que eles dizem publicamente, os parceiros do Android não estão felizes.

"Dadas as participações muito elevadas, o histórico de relacionamentos controversos da Google com os seus parceiros, e as questões legais pendentes que o Android vem enfrentando, todos os licenciados Android estão cuidadosamente avaliando todas as opções disponíveis para eles", declarou Morelli.

"O ecossistema Android está aí para ficar e este movimento com a Motorola não afastará os parceiros do sistema  completamente", disse Craig Cartier, da Frost and Sullivan.

Mas alguns analistas acham que a Google está preparado para torná-los ainda mais infelizes.

Andrew Borg,  analista sênior de pesquisa da Aberdeen Group, é um dos que acredita que o Google pode usar Motorola para oferecer dispositivos Android - gPhones e gPads sob a marca Motorola - a um custo muito baixo ou possivelmente até mesmo gratuitos, subsidiados por receita de anúncios.

A opinião de Florian Mueller é parecida."A visão da Google para este mundo é que todas as informações, produtos de tecnologia e serviços de comunicações devem ter preço zero, ou ao menos uma margem de lucro zero, enquanto a Google explorar a venda de publicidade para o McDonalds, General Motors, bancos, companhias de seguros, etc ", afirmou Mueller. "Para que isso aconteça, a Google usa o Android, e também o Chrome como uma ferramentas para bloquear usuários finais em seus serviços."

Seja o que for a estratégia, Wall Street não gosta disso.

"Seu maior desafio será fazer com que os investidores esperem a Google executar seus planos globais de longo prazo, apesar da diluição iminente da margem de lucro", disse Borg. "Ao misturar alta margem de receita publicitária com quase nenhuma margem de negócio de hardware, a diluição torna-se inevitável."

5 - Até agora, os investidores estão insatisfeitos.
No dia seguinte do anúncio do acordo da Google com a Motorola, o analista da Standard & Poor, Scott Kessler, reduziu o preço-alvo sobre o estoque de 12 meses de US$ 700 para US$ 500. Ele está inseguro sobre se as patentes da Motorola irão ajudar muito na poteção do Android, e está seguro de que o negócio "terá um impacto negativo do crescimento das margens e no balanço da Google."
 
 
 
 
Fonte: CIO

 
Indique esta notícia Indique esta notícia para um amigo

Início Notícias  | Voltar