Página Inicial



twitter

Facebook

  Notícia
|

 

POR QUE A MICROSOFT NÃO COMPRARÁ UMA FABRICANTE PARA ENFRENTAR A GOOGOROLA

19/08/2011

Dificilmente a Microsoft vai responder à compra da Motorola pela Google por 12,5 bilhões de dólares com uma aquisição de uma fabricante de celulares, afirmam analistas da indústria, apontando como razão principal a rica história da companhia em desenvolver e licenciar softwares e construir um ecossistema de parceiros de hardware.

O pensamento deles é que essa abordagem funcionou em relação aos PCs e que a estratégia principal de licenciar softwares e parcerias para hardware não irá mudar para os smartphones.

?A Microsoft está mais bem servida fazendo o que faz melhor, que é software?, diz o veterano analista de tecnologia Roger Kay. ?Adquirir uma companhia de hardware pode fornecer uma ótima integração e um elemento de controle, e a Apple se sobressaiu fazendo isso. Mas, com a Microsoft, isso poderia acabar sendo uma grande distração de seu negócio principal.?

Histórico
A fabricante do Windows não tem um bom histórico de compras de fabricantes de celulares. Sua aquisição da Danger Inc. por 500 milhões de dólares em 2008 (a Danger fabricava os telefones Sidekick da T-Mobile) resultou nos telefones voltados para mídias sociais Kin, que foram um
grande fracasso, tendo sido retirados do mercado após apenas seis semanas nas lojas.

Quando a Microsoft tentou desenvolver seus próprios aparelhos, como no caso dos tocadores Zune, o sucesso também ?fugiu? da companhia. No entanto, você pode chamar o Zune de um ?fracasso nobre? e uma vítima do domínio do iPod, da Apple, no mercado dos tocadores de MP3, e não necessariamente uma condenação do desenvolvimento de produtos da Microsoft.

De qualquer maneira, ser uma fabricante de hardware está fora do campo de habilidades da Microsoft, afirma Kay, e é um negócio arriscado de forma geral.

?Há muitos fatores envolvidos na produção de hardware. Muito dinheiro investido em estoque e cadeias de fornecimento e margens de lucro que não são tão boas. A Apple conseguiu fazer isso funcionar, mas não são muitas empresas que conseguiram.?

A Google, que não tem experiência em comandar uma unidade de produção de hardware, está tomando esse caminho com a compra da Motorola e os resultados ainda precisam ser vistos, diz Kay.

Patentes
Os analistas entrevistados para a reportagem concordam que a compra da Motorola pela Google foi amplamente impulsionada pela necessidade de assegurar as 17 mil patentes da fabricante de celulares. Isso, eles dizem, dá a Google munição para sua batalha nos tribunais contra a Microsoft e a Apple, entre outras, mas também tem potencial para deixar as fabricantes do ecossistema Android em confusão.

Um possível efeito negativo é que essas companhias possam se ressentir da Motorola e do tratamento preferencial que ela inevitavelmente vai receber de seu novo dono. A Google foi cuidadosa em não mexer nesse carrinho e o CEO da empresa, Larry Page, prometeu manter a Motorola como um negócio independente.

?Essa aquisição não mudará nosso compromisso de manter o Android como uma plataforma aberta?, escreveu Page no blog oficial da empresa. ?A Motorola continuará uma licenciadora do Android e o Android continuará aberto. Nós vamos conduzir a Motorola como um negócio independente. Muitos fabricantes de hardware parceiros contribuíram para o sucesso do Android e nós queremos continuar a trabalhar com todos eles para entregar ótimas experiências para os usuários.?

Confusão
Mas inevitavelmente as fabricantes de aparelhos Android ficarão preocupadas sobre o nível do campo de atuação do Android, e isso pode respingar como
confusão e insatisfação por parte dos consumidores ? uma vantagem para a Microsoft, de acordo com o analista Rob Enderle.

?Nossa expectativa é que a Microsoft dobre suas licenças do Windows Phone 7 com as fabricantes parceiras restantes e utilize as preocupações levantadas pela compra da Motorola para fazer com essas companhias licenciem a sua plataforma?, diz Enderle.

Qualquer rivalidade entre essas fabricantes do Android vai apenas ajudar a Microsoft, uma vez que seu sistema WP7 (que possui apenas 5,8% do mercado nos EUA) se tornará mais atraente para essas empresas se elas ficarem cansadas de um eventual favoritismo da Google pela Motorola. Essas brigas também desencorajariam a Microsoft de comprar uma fabricante.

Estratégia
A parceria da Microsoft com a Nokia ? em que a fabricante finlandesa vai licenciar o Windows Phone 7 em seus próprios aparelhos ? dá a Microsoft todos os benefícios de uma aquisição sem os custos e os riscos de integrar uma companhia inteira. Essa é a estratégia que a Microsoft provavelmente irá manter nesse início da Googorola, afirma o analista da consultoria IDC, Al Hilwa.

?Está claro que a compra da Motorola pela Google está primeira e principalmente sobre patentes e a companhia precisou agir de modo cuidadoso com suas fabricantes parceiras ao prometer que irá manter a Motorola como uma subsidiária separada?, afirma Hilwa.

?Isso em especial provavelmente vai impulsionar a Microsoft para longe da ideia de comprar uma fabricante de hardware. É mais provável que a Microsoft estreite seus laços com uma ou duas fabricantes, de maneira parecida com o negócio da Nokia.?
 
 
 
 
Fonte: IdgNow

 
Indique esta notícia Indique esta notícia para um amigo

Início Notícias  | Voltar