Página Inicial



twitter

Facebook

  Notícia
|

 

LOCADORA ON-LINE NETFLIX VAI TER FILMES E NOVELAS MEXICANAS

15/08/2011

O controle remoto do brasileiro está em fase de adaptação: da televisão para computadores, telefones e tablets conectados à internet.

O Netflix, uma espécie de locadora de filmes e séries on-line, que também entrega DVDs em casa, está de malas prontas para desembarcar nos aparelhos com conexão banda larga do Brasil.

O presidente da NBC Universal International, Jeff Shell, confirmou à Folha que o contrato para exibir os filmes do Universal Studios no Brasil está firmado.

O Netflix já tem o direito de oferecer para os brasileiros um catálogo on-line de filmes produzidos há mais de cinco anos pela Universal.

A Folha também apurou que a produtora mexicana de telenovelas Televisa (que detém direitos de "Maria do Bairro" e "Usurpadora", exibidas pelo SBT nos anos 90) fez acordo para colocar seu conteúdo na internet brasileira via Netflix.

Ao contrário do que ocorre nos EUA, no entanto, o "delivery" de DVDs não estará disponível aqui, por enquanto (veja quadro abaixo).

Os usuários do Brasil terão um mês gratuito de degustação de filmes, séries e novelas do catálogo do Netflix. A assinatura deve custar entre R$ 13 e R$ 15 por mês, a partir do momento em que o serviço estiver no ar.

A maior concorrência da empresa americana aqui já é a brasileira NetMovies, que tem um menu de 4.000 títulos on-line e 25 mil em DVDs para Estados brasileiros.

"É um concorrente a ser respeitado", afirmou o fundador do NetMovies, Daniel Topel, em entrevista por telefone. Ele acredita que a movimentação do mercado vai ser positiva por aqui.

Por isso, Topel tem viagem marcada na próxima semana para negociar novos títulos com estúdios americanos.

O setor de TV paga também se prepara para a disputa pela audiência, tanto na televisão quanto na internet.

SEM SUBESTIMAR

"A última coisa que se pode em relação à Netflix é subestimar", recomendou o presidente da Globosat, Alberto Pecegueiro, durante o Congresso da ABTA (Associação Brasileira de TV por assinatura), na última terça.

A operadora NET e a programadora Globosat (que abriga a rede Telecine, Multishow e SporTV, entre outros canais) já reagiram.

Lançaram nesta semana o Muu, um portal de internet que vai agregar os vídeos veiculados em alguns canais Globosat, só para assinantes.

Outras armas são o serviço "on demand", que oferece a compra de filmes pelo controle remoto, o clássico "pay-per-view" (com campeonatos esportivos e lançamentos de cinema) e o DVR, aparelho que permite gravar o conteúdo da programação para assistir quando quiser.

Para Gastón Taratuta, CEO da IMS Corporate, agência que cuida da imagem on-line da Netflix nos EUA e na América Latina, a preocupação da TV paga deveria ser com a pirataria, e não com o novo serviço, que é "uma forma legal de compartilhar conteúdo."

A briga no Brasil, porém, pode ser pelo controle remoto da classe C. Só em 2011, 1,34 milhão de pessoas resolveu aderir à TV paga, aumento creditado pelo setor à nova classe média brasileira.

Editoria de Arte / Folhapress
Tv fora da lei
Tv fora da lei
 
 
 
 
Fonte: Folha

 
Indique esta notícia Indique esta notícia para um amigo

Início Notícias  | Voltar