Página Inicial



twitter

Facebook

  Notícia
|

 

GOVERNO QUER PREÇO MENOR PARA ROAMING INTERNACIONAL

11/08/2011

O governo quer iniciar uma negociação envolvendo a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) e as operadoras de telefonia para reduzir o preço das tarifas cobradas para ativação de celulares brasileiros no exterior, o chamado roaming internacional.

"Nós temos que fazer uma negociação e ver como podemos regular isso e discutir os preços", disse o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, a repórteres nesta quarta-feira.
 

"Acho que a única explicação para os preços (atuais) é que tem gente que paga, porque o preço é absolutamente exorbitante", complementou.

O roaming internacional é negociado pelas operadoras livrevemente, geralmente implicando em dupla cobrança --uma da operadora "visitada" e outra da operadora de origem, pelos serviços prestados.

A potencial redução dos preços de serviços de roaming pode refletir na receita de serviços de operadoras de telefonia móvel, como Vivo, TIM e Oi.

O governo também quer facilitar a cobrança do roaming para estrangeiros no Brasil, disse o ministro.

Bernardo conversou com jornalistas após participar, nesta quarta-feira, de seminário em Brasília sobre infraestrutura de telecomunicações para a Copa do Mundo e Olimpíadas.

Segundo ele, falta o equivalente a 200 milhões de reais em investimentos para implantar todo a rede necessária de fibras ópticas para a Copa do Mundo de 2014.

Além disso, o governo está preparado para fazer esse investimento por meio da estatal Telebrás, mas "parceiros privados são bem-vindos", de acordo com o ministro.

A ideia, disse Bernardo, é ter, em cada estádio do mundial, duas redes independentes, de modo a dar mais segurança à transmissão dos dados.

TABLETS

O ministro da Ciência e Tecnologia, Aloizio Mercadante, que também participou do evento, reiterou que em setembro começarão a ser produzidos computadores tipo tablets e smartphones no Brasil. "Até o Natal não vai faltar opção", disse o ministro também no mesmo seminário.

Há 15 empresas inscritas para entrar no negócio e fazer uso dos benefícios fiscais oferecidos pelo governo, e entre elas nove já tiveram a produção autorizada, segundo ele.

O governo federal incluiu em maio os computadores tablets na chamada Lei do Bem. Com isso, o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) que incide sobre estes dispositivos cai de 15 para 3 por cento. Além disso, a alíquota do PIS/Cofins foi zerada.

De acordo com a empresa de pesquisa IDC, as vendas de tablets no Brasil devem chegar a 300 mil unidades em 2011, com a maior movimentação ocorrendo nos seis últimos meses do ano.

Entre as companhias que já planejam fabricar tablets no Brasil estão a ZTE e a Foxconn, que fabrica o iPad.
 
 
 
 
Fonte: Uol

 
Indique esta notícia Indique esta notícia para um amigo

Início Notícias  | Voltar