Página Inicial



twitter

Facebook

  Notícia
|

 

BIOMETRIA COMEÇA A VIRAR REALIDADE NAS EMPRESAS

01/08/2011

Nos próximos anos, o mercado deve acompanhar uma explosão no uso de biometria. A expectativa é a de que empresas dos mais diversos setores adotem tecnologias que identificam as pessoas a partir de traços físicos ou comportamentais, com o intuito de incrementar os recursos de validação de usuários e os de segurança da informação.

As versões mais convencionais da tecnologia biométrica usam informações provenientes da impressão digital, topografia facial (relevo do rosto), estrutura da íris, desenho das mãos, mapa das veias sanguíneas, análise da voz e reconhecimento da grafia e de digitação. Mas em seu estágio mais avançado, chegam a  interpretar padrões de movimento ? forma de caminhar, por exemplo ?, odor e  até o formato das orelhas.

As vantagens da verificação de identidade com base na coleta e processamento de dados biométricos, quando comparadas às tecnologias tradicionais de identificação como o uso de senhas, cartões magnéticos e PINs, não são poucas. A biometria não só exige que o usuário esteja fisicamente presente no local de validação, como dispensa o uso de dispositivos auxiliares e a lembrança de senhas.

Dan Miller, analista sênior e fundador da empresa californiana Opus Research Biometrics (especializada no reconhecimento de voz) vai direto ao ponto: os sistemas tradicionais de verificação usam como base o que o usuário tem ou sabe. Na biometria a questão passa a ser ?quem a pessoa é?.

Atualmente, há uma extensa variedade de  situações em que o uso de técnicas de identificação biométrica já é possível, segundo Maxine Most, diretora da empresa de inteligência de mercado Acuity, para quem a maior expansão do setor deve ocorrer entre 2009 e 2017. Período no qual  os sistemas biométricos deverão alcançar um faturamento anual de 11 bilhões ao ano, com um ritmo médio de crescimento anual de 19,69%.

No setor público, segundo Maxine, uma das principais utilidades das soluções biométricas  hoje tem sido como parte do sistema para gerenciamento de fronteiras. Já no mercado privado, o grande vetor do crescimento está relacionado à disponibilidade cada vez maior de  celulares equipados com recursos para compartilhamento de informações, requisição e pagamento de serviços e emissão de tíquetes como notas fiscais e ingressos eletrônicos.

"Tudo isso vai demandar soluções biométricas, não apenas para conectar dispositivos, mas também para a execução de operações de alto risco e/ou transações de valor elevado", afirma Maxine. Ela lembra ainda que já existem no mercado uma série de celulares com algum item de aferição biométrica.

Outro exemplo claro, segundo a especialista, é o uso da biometria para restringir o acesso a prontuários médicos.

Por outro lado, a diretora da Acuity reconhece que o avanço desse mercado foi atrasado, ao longo dos últimos anos, por conta de um emprego inadequado das soluções,  de limitações tecnológicas e eventuais violações de direitos civis e de privacidade.

Outro fator que deve ser solucionado pelos fornecedores de soluções biométricas ? e que deve colaborar para a disseminação das tecnologias ? é a melhoria no preço e na confiabilidade dos dispositivos utilizados para captura, que já começam a ser implementados em computadores, smartphones, equipamentos de ponto de venda, caixas eletrônicos, veículos e até em eletrodomésticos.

Para responder a essa possível demanda, a própria indústria de soluções biométricas começa a se movimentar. O setor, que sempre esteve fragmentado na mão de uma série de empresas especializadas,  viveu uma fase de consolidação em 2010. E a explicação para isso é óbvia: os fornecedores querem estar preparados para a oferta de soluções completas. 

Barreiras à implementação
Do lado das empresas que avaliam a utilização de soluções biométricas, os gestores de TI responsáveis pelos projetos precisam estar preparados para enfrentar alguns obstáculos. O primeiro deles é conseguir o tempo e o dinheiro necessários para cadastrar e credenciar os usuários. ?Existe uma oposição natural à possibilidade de criação de uma extensa base de dados pessoais centralizada?, avisa Maxine, da Acuity. Ainda de acordo com ela, a saída encontrada por alguns departamentos de tecnologia para reverter essa situação é utilizar a identificação anônima; adotar a criptografia para o envio de informações; e modelos de armazenamento distribuído.

Ant Allen, analista do Gartner, afirma que essa aversão ao uso da biometria também pode ter origem em questões culturais. No Japão, por exemplo, a identificação de impressões digitais não é 100% aceita, pois parte da população do país rejeita a possibilidade de contato físico com os dispositivos. Como solução, a rede bancária daquele país optou pelo mapeamento das veias da mão nos caixas automáticos. 

O respeito à privacidade também representa outra origem dos problemas com projetos de biometria. Allen cita como exemplo o uso de tecnologias para reconhecimento da retina e da íris. ?Essas soluções podem revelar a existência de patologias que as pessoas não têm o desejo de tornar públicas?, pontua o analista do Gartner.

A usabilidade é outro fator bastante relevante. Allen diz que, no caso da identificação por meio de impressão digital, sempre existe uma parcela da população que esbarra em problemas de leitura do sistema, devido ao tipo de pele. ?A introdução de soluções alternativas para essas pessoas pode ser interpretada como discriminatória?, ressalta o especialista. Ele cita o caso de um cliente para o qual teve de encontrar uma solução que atendesse a seis usuários dentro de um grupo de aproximadamente mil pessoas.

Em termos de uso, o registro do mapa da íris desponta como a solução que gera menos problemas após a implementação. Mesmo assim, nem sempre é possível obter uma imagem de qualidade, explica  Allen. ?Eu, por exemplo, tenho pálbebras pesadas. Para poder registrar a íris tenho de afastá-las com os dedos?, exemplifica o especialista. ?Funcionar, funciona. Mas é inconveniente?, completa.

Outro procedimento que parece funcionar na maioria dos casos, mas também está sujeito  falhas relacionadoas ao ambiente  é o mapeamento da estrutura de vasos sanguíneos. ?Um fornecedor experimentou essa técnica com mineradores de carvão. Nesse caso, o carbono presente nos dedos bloqueou a imagem?, pontua o analista do Gartner. Em contrapartida, ele lembra que essa técnica funciona em situações adversas como no caso dos profissionais que precisam fazer a identificação utilizando luvas cirúrgicas.

Larry Nathanson, diretor de TI do setor de emergências do hospital norte-americano Beth Israel Deaconess Medical Center, ligado à escola de medicina de Harvard, relata que optou pelo  sistema de identificação digital depois de constatar a dificuldade de médicos e enfermeiros do pronto-socorro para inserir senhas nos tablets utilizados para registro e consulta de informações dos pacientes. ?Quando eles conseguiam digitar as letras, números e símbolos na tela do equipamento já havia passado tanto tempo que valia mais a pena tomar notas em um bloco de papel?, cita o executivo.

Com o intuito de substituir o mecanismo de senhas para acesso aos tablets, a primeira saída de Nathanson foi testar um sistema de leitura de digitais, que não se mostrou muito eficiente. Assim que o usuário encostava o dedo no leitor, o sistema entrava em modo de identificação, comparando a digital a uma série de registros. Após essa fase era realizado o login aos aplicativos na web e, terminado esse processo, a solução passava a rodar em modo de ?verificação?. Caso outro integrante da equipe do pronto-socorro encostasse o dedo no leitor, o aplicativo verificava primeiro a hipótese de ser o mesmo usuário de antes. Não sendo, estágios extras começavam a ser adicionados à rotina. Resultado: para fazer o login, o processo levava de 30 a 60 segundos, não menos que o tempo demandado para digitar a senha.

O diretor de TI conta que, após a tentativa frustrada, deparou-se com um sistema adequado às necessidades do hospital, oferecido pela norte-americana BioKey, baseado em uma arquitetura de thin-client que realiza a identificação direto no servidor. ?Com a solução, é só encostar o dedo no leitor?, pontua Nathanson.  ?A identificação acontece de forma mais rápida e segura do que o uso de senhas?, completa.

Quanto menor a interação, melhor
De acordo com Maxine, da Acuity, sistemas que não exigem o contato físico e que realizem a leitura passiva ? como no caso do reconhecimento de íris e da topografia facial ? tendem a ser melhor sucedidos por serem independentes da ação do usuário e estarem menos sujeitos a problemas de higiene.

?A autenticação biométrica que não demandar nenhuma ação por parte do usuário, como posicionar-se de determinada maneira ou ter contato físico com o leitor, será aceita de forma mais rápida?, comenta a especialista.

Ela cita que recentemente acompanhou o lançamento de uma tecnologia que trava as portas por meio da leitura de digitais. ?Isso não funciona para uma mãe de família que esteja carregando uma criança ou compras. Seria mais fácil realizar a leitura de íris?, afirma.

O engenheiro de redes e técnico de software do Bates County Memorial Hospital, Daniel Cook, conta que descobriu, na prática, os problemas com sistemas de leitura de impressão digital. A solução que era utilizada para registrar a permanência e o tráfego de funcionários da entidade muitas vezes negava o acesso a determinadas áreas para usuários autorizados, por conta de sujeiras ou fissuras na pele dos dedos. A alternativa encontrada foi adotar a identificação pelo mapeamento de veias, fornecido pela Fujitsu

Cook destaca que os 350 funcionários do hospital utilizam oito dispositivos de verificação. ?O usuário exibe a mão para uma tela, que realiza a leitura das veias. O que é mais higiênico?, explica o executivo, citando ainda que o sistema tem se mostrado mais rápido e preciso do que a leitura de digitais. De acordo com o diretor, uma outra alternativa analisada foi a identificação da íris. ?Mas a diferença absurda de preços me desencorajou?.

Os especialistas apontam, no entanto, que o futuro da biometria está na integração de diversas modalidades. Allen, do Gartner, cita que o reconhecimento de voz representa uma alternativa procurada por muitas empresas para complementar soluções tradicionais de biometria, como impressão digital. No caso da voz, a solução pode ser utilizada para identificar os usuários de um call center ou para redefinir senhas.

Dan Miller, da Opus, concorda que, nos últimos dois anos, os fornecedores de sistemas de reconhecimento de voz posicionam cada vez mais suas soluções como complemento a outras modalidades e para ?atender a determinadas legislações que exigem a existência de dupla aferição?
 
 
 
 
Fonte: CIO

 
Indique esta notícia Indique esta notícia para um amigo

Início Notícias  | Voltar