Página Inicial



twitter

Facebook

  Notícia
|

 

CONCORRÊNCIA ESTIMULA MERCADO DE CHIPSETS

13/07/2011

A busca por smartphones e tablets cada vez mais inteligentes tem estimulado a concorrência entre os fabricantes de microprocessadores, que desejam oferecer chipsets mais rápidos e eficientes, inclusive na redução do consumo de energia. Várias empresas, que antes atuavam exclusivamente no mercado de computadores, apostam no crescimento da mobilidade e passam a investir, também, na fabricação de modelos para dispositivos móveis.

Como resultado natural desse aumento na competição, há a tendência de que a indústria terá a sua disposição chipsets diferenciados para atender demandas específicas de pessoas, seja para  acesso às tecnologias de terceira e quarta gerações, de streaming de vídeos e demais recursos multimídia, aplicativos de jogos e de localização, recursos multitarefas, entre outros. O cenário atual mostra que há espaço para todos. Quem sai ganhando é o consumidor, que conta com um número maior de opções de produtos e funcionalidades.

As estimativas de adoção de dispositivos móveis são bastante otimistas quanto a volumes comercializados. A expectativa é atingir um total de 468 milhões de smartphones vendidos em 2011, segundo o Gartner ? e outros 44,6 milhões de tablets este ano, segundo dados do IDC. Para atender esse mercado em expansão, uma unanimidade para os fabricantes é não abrir mão de processadores cada vez mais potentes.

Hoje, existem duas linhas de chipsets: os especializados e os integrados. Multimídia potente, suporte à conectividade multimodo, aceleradores gráficos, baixo consumo de energia e reduzido espaço para o desenvolvimento de dispositivos fazem dos processadores integrados a melhor opção para os novos dispositivos móveis inteligentes.

Mas essa não é a única arena de disputa para o mercado de chipsets. Cada vez mais, os novos modelos deverão ser flexíveis para atender às exigências de maior desempenho de aparelhos convergentes.

Se tivéssemos que escolher o nome da próxima era tecnológica, resumiríamos em duas palavras: mundo conectado. Em um futuro bem próximo, vários dispositivos estarão conectados, gerando uma maior demanda por soluções que permitam a comunicação machine-to-machine.

Uma pesquisa realizada pela Consumer Electronics Association prevê que, até 2014, 70% dos equipamentos de consumo terão conexão à Internet. No caso específico dos celulares, é possível que eles funcionem como o controle remoto de todos os demais aparelhos que rondam as pessoas. Um dos desafios será fazer com que os fabricantes e as operadoras permitam que esses equipamentos trabalhem de forma integrada, garantindo a conectividade em vários mercados. Definitivamente, o mundo caminha para o ?Internet of Everything?.

Pela velocidade com que o mercado de chips está se desenvolvendo, sabemos que a inovação será um fator decisivo para as empresas que atuam nesse segmento.
 
 
 
 
Fonte: IDgNow

 
Indique esta notícia Indique esta notícia para um amigo

Início Notícias  | Voltar