Página Inicial



twitter

Facebook

  Notícia
|

 

FOMENTO À P&D DIVIDE FABRICANTES NACIONAIS E ESTRANGEIROS

18/05/2011

 

Políticas de indução de investimentos em pesquisa e desenvolvimento - e especialmente aquelas que envolvem algum tipo de preferência à tecnologias desenvolvidas nacionalmente - atraem naturalmente opiniões divergentes, com base na origem do capital dos afetados. A discussão sobre a proposta da Anatel para um regulamento de P&D e inovação não foi diferente.

Assim, a primeira crítica do dia à ideia da agência partiu da Nokia Siemens, preocupada tanto com a falta de participação de conversas com o setor produtivo quanto com a insistência em políticas que privilegiam, de alguma forma, serviços e equipamentos produzidos com tecnologia nacional. Para a multinacional, regras como a de preferência de compras são contestáveis. ?A leitura é de que isso é reserva de mercado?, disparou o diretor de relações corporativas da Nokia Siemens, Mario Baumgarten.

Segundo ele, ?não existem mais telecomunicações nacionais. Nosso playground é o mundo, não o Brasil. A ideia de fabricar aqui pode sair muito cara e não resolve nosso problema com a balança comercial porque não temos indústria de componentes, que hoje representam 90% do custo dos equipamentos?. O presidente da empresa no país, Aluizio Byrro, emendou mais tarde: ?Não vale a pena produzir no Brasil?.

Não chega a surpreender que a avaliação seja distinta daquela feita pela Tropico, fabricante brasileira de equipamentos de redes. A concordância ficou no ponto em que produzir no Brasil é caro, especialmente por conta do câmbio pouco favorável. Para seu presidente, Raul Del Fiol, no entanto, a aposta em tecnologia nacional é essencial para o país.

?O Brasil precisa de uma alternativa local ao domínio de chineses e, quem sabe, indianos. E quem é dominante eleva preços?, destacou. Segundo ele, porém, faltam instrumentos, como um Processo Produtivo Básico para software, investimento no capital das empresas brasileiras e, até mesmo, o uso de tarifas alfandegárias.

?Por que os automóveis são o único setor produtivo em que o Imposto de Importação é o máximo permitido, de 35%, enquanto em telecom o imposto é de 16%? Ampliar isso já ajudaria na briga por aqueles 60% a 70% de vantagem que os preços de outros países têm por conta do câmbio atual?, arriscou o executivo.


 
Fonte: Convergencia Digital

 
Indique esta notícia Indique esta notícia para um amigo

Início Notícias  | Voltar