Página Inicial



twitter

Facebook

  Notícia
|

 

BRASIL PODE SE TORNAR POTÊNCIA EM PESQUISA CIENTÍFICA

05/04/2011

O Brasil está a um passo de se tornar uma das principais potências em pesquisa científica do mundo, de acordo o artigo ?Knowledge, Networks and Nations? (Conhecimento, Contatos e Nações), publicado pela Royal Society, do Reino Unido. A pesquisa indica que o País, assim como China, Índia e Coreia do Sul tendem a se tornar rivais das superpotências atuais no assunto ? Estados Unidos, Europa e Japão ? nos próximos anos.

Embora a China tenha apresentando crescimento mais elevado, o Brasil se destaca com o investimento crescente em biotecnologia, chegando a tomar 1,4% do PIB em 2007 e pretendendo alcançar 2,5% até 2022, de acordo com o MCT (Ministério da Ciência e Tecnologia).

Desde 1999, o Brasil já se aproxima dos países mais desenvolvidos da OCDE (Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico), com um investimento de 0,87% do PIB nas áreas de pesquisa e desenvolvimento. Sendo assim, o número de pesquisas científicas tende a crescer mais a cada ano. Ainda de acordo com o MCT, tais iniciativas têm uma taxa anual de crescimento de 10,5%, o que indica três vezes mais do que o incremento da produção mundial.

?Graças a esforços continuados, especialmente nos últimos 60 anos, o Brasil está se tornando uma potência científica. Houve progressos quantitativos importantes e o País hoje forma 12 mil doutores por ano?, explica o diretor científico da FAPESP (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo), Carlos Henrique de Brito Cruz.

Brito, no entanto, acredita que ainda é preciso gerar mais resultados para o Brasil chegar em um patamar relevante: ?Há desafios importantes que devem ser enfrentados, como o de aumentar o impacto da ciência feita no País e a intensidade da pesquisa realizada em empresas?, explicou. ?O investimento em pesquisa tem gerado muitos resultados importantes para o País. Alguns exemplos são os relativos à extração de petróleo na plataforma continental, à indústria aeronáutica e ao uso de etanol como substituto da gasolina. Este último caso tem maior impacto mundial?, concluiu o diretor científico, defendendo o alcance em larga escala das pesquisas feitas em território nacional.

Mesmo com exemplos focados em biotecnologia, o Brasil se mostra bem dividido no que diz respeito às pesquisas. Os setores de software e serviços de tecnologia da informação e, até mesmo, de tecnologias de conteúdos digitais de comunicação, mídias e redes, também estão em alta no País. O Brasil sofreu uma ampliação de US$ 100 milhões em 2002 para US$ 4 bilhões em 2010, nas exportações de software e serviços.

Contudo, com um recente corte de R$ 50 bilhões do orçamento federal anunciado pelo governo, o MCT deve perder R$ 1,7 bilhão. Sendo assim, o desenvolvimento científico pode ser reduzido no País, pelo menos neste ano.
 
 
Fonte: Olhar Digital

 
Indique esta notícia Indique esta notícia para um amigo

Início Notícias  | Voltar