Página Inicial



twitter

Facebook

  Notícia
|

 

BM&FBOVESPA COMEÇA A NEGOCIAR BDRS DA MICROSOFT, INTEL E CISCO

30/11/2010 01:00:00

A BM&FBOVESPA iniciou hoje (29/11) a negociação de Brazilian Depositary Receipts (BDRs) Nível 1 de mais três empresas de TI. Microsoft, a Intel e Cisco fazem parte do lote de 10 BDRs que serão emitidos pelo Citibank DTVM. A BM&FBovespa já oferece, desde o outubro, papéis da Apple e da Google emitidos pelo Deutsche Bank.

Segundo o diretor-presidente da CitiCorretora, Roberto Serwaczak, um dos critérios para a escolha dos papéis que fazem parte do lote foi a seleção de empresas conhecidas no mundo, mas que atuam em ?segmentos com pouca exposição no País?. Foi por isso que o banco apostou, por exemplo, no setor de TI. ?No caso do setor de tecnologia, muitas empresas são globais e estão no nosso mercado. O investidor conhece bem a Microsoft e a Intel, mas não tem acesso. Agora é possível investir?, declarou Serwaczak, durante coletiva de imprensa após a cerimônia de início de negociação das BDRs.

O executivo também informou que todos os 10 papéis que banco vai emitir localmente são abordados pela área de research do Citi. ?As companhias são cobertas por nossa equipe de pesquisa de forma a orientar os investidores?.

Além das empresas de TI, fazem parte do lote Alcoa, Citigroup, Freeport-McMoran Cooper & Gold, General Eletric, Merck, Procter & Gamble e Wells & Fargo.  Empresas de setores como mineração, financeiro, farmacêutico, entre outros. Serwaczak lembrou que os 10 papéis tem liquidez elevada. ?Elas tem, em média, uma movimentação diária, de 1 bilhão de dólares.?

Produto lançado recentemente no Brasil, o BDR Nível I Não Patrocinado é diferente dos BDRs Patrocinados, que já eram negociados pela Bovespa. Enquanto nos patrocinados os papéis são emitidos pelas próprias empresas com sede no exterior, nos BDRs Nível 1 Não Patrocinados a emissão e o registro são de responsabilidade de uma instituição depositária no Brasil. Assim, os investidores não compram diretamente os papéis, mas recibos correspondentes às ações das companhias. Estes recibos só podem ser ser negociados por bancos, fundos de investimento, além de administradores de carteira e consultores de valores mobiliários permitidos pela CVM. Pessoas físicas podem participar da nova modalidade de investimento apenas por meio de fundos.
 
 
 
Fonte: Computerworld

 
Indique esta notícia Indique esta notícia para um amigo

Início Notícias  | Voltar