Página Inicial



twitter

Facebook

  Notícia
|

 

STUXNET: O VÍRUS MAIS SOFISTICADO QUE JÁ EXISTIU

06/10/2010

Recentemente o mundo digital sofreu um dos ataques mais sofisticados já realizados. O responsável foi o vírus denominado de Stuxnet, uma praga que infectou instalações nucleares do Irã e da Índia por meio de brechas desconhecidas no Windows.

O vírus foi detectado em junho deste ano, mas só ganhou notoriedade por forçar a Microsoft a lançar uma correção de emergência no início de agosto. Porém, mesmo há meses sendo pesquisado, o vírus ainda tem origem desconhecida. Os principais alvos são sistemas de controle de automação e monitoramento industrial, conhecidos pela sigla SCADA.

"Um ataque como esse pode infectar milhares de máquinas no mundo todo, especialmente em países que trabalham com a tecnologia SCADA. O Stuxnet foi criado para sabotar ou restringir o funcionamento dessas infraestruturas", explica Dimitry Bestuzhev, Analista Regional de Malware da Kaspersky Lab para a América Latina.

A empresa de soluções de segurança para informática, Kaspersky Lab, iniciou uma cooperação com a Microsoft para combater uma série de vulnerabilidades do Windows. Desde julho deste ano, os especialistas em segurança da informação têm acompanhado a evolução deste malware e detectaram que, além de processar arquivos de extensão LNK e PIF (arquivos de acesso direto), o vírus também usa outras quatro vulnerabilidades no Windows.

"O Stuxnet é um excelente exemplo de um moderno ataque ao alvo. As pessoas responsáveis por este ataque têm habilidades altamente técnicas e conhecimentos precisos dos métodos de infecção", explica.

Dados da Kaspersky indicam que a Índia é o país com mais atividade do Stuxnet, seguido da Indonésia e do Irã. Já dados da Symantec, um pouco mais antigos, apontam o Irã como sendo o país com o maior número de computadores infectados.

Ciberguerra
Em julho do ano passado, uma reportagem da agência Reuters informou que Israel estaria investindo em ciberguerra. Na época, um especialista do exército norte-americano, Scott Borg, comentou que um vírus poderia ser criado para "travar ou danificar os controles de usinas nucleares" e que "um pen drive infectado seria suficiente". Coincidência ou não, este foi o mesmo esquema de ataque usado pelo Stuxnet.

Segundo especialistas, não há dúvida de que houve envolvimento de algum grupo poderoso e com grandes interesses em sua criação. Eles ainda garantem que o Stuxnet só infecta computadores que possuem uma placa de rede específica. Além disso, ele tenta impedir sua propagação para mais de três computadores e por mais de três semanas. Especulações indicam que os criadores do Stuxnet não queriam que ele tivesse se disseminado tanto.

"O objetivo do Stuxnet não era obter informações, e sim a sabotagem
de determinados elementos. O Stuxnet é prova clara de que uma nova era começou: a era da ciberguerra", diz o analista.

Eugene Kaspersky, co-fundador e CEO da Kaspersky Lab, também descreve o Stuxnet como algo criado para sabotar fábricas e prejudicar sistemas industriais. "É aí que está a diferença e o marco para um novo mundo. A década de 90 foi marcada pelos vândalos cibernéticos e os anos 2000 pelos cibercriminosos. Agora estamos entrando na década do terrorismo cibernético", afirma.

Segundo Dimytri, a única forma de se proteger contra um vírus dessa magnitude é atualizar sempre os sistemas operacionais. A Microsoft já publicou as correções necessárias para corrigir as vulnerabilidades utilizadas por Stuxnet.

Abaixo confira um vídeo sobre o maior cyberataque da história e outro com uma entrevista exclusiva com o Presidente da Karspersky, Eugene Karspersky.
 
 
 
Fonte: IdGNow

 
Indique esta notícia Indique esta notícia para um amigo

Início Notícias  | Voltar