Página Inicial



twitter

Facebook

  Notícia
|

 

FORMATO XML SERÁ PADRÃO EM RELATÓRIOS SOBRE CRIMES ELETRÔNICOS

22/09/2010

A força-tarefa de engenharia da Internet (IETF) - em inglês, Internet Engineering Task Force - aprovou uma versão customizada baseada em XML do modelo Instant Object Description Exchange Format (IODEF). 

O formato permite uma objetiva sequência de caracteres, com datas e horários de eventos ocorridos, suporte a diferentes idiomas e recurso para anexar amostras de códigos maliciosos. Essas medidas resolveriam o problema atual que enfrenta a indústria de segurança, no qual relatórios inconsistentes dificultam a identificação de possíveis ameaças e, consequentemente, uma reação mais rápida.

Espera-se que as organizações atingidas por crimes na web, como instituições financeiras, por exemplo, possam se beneficiar deste modelo. Caso uma companhia receba um ataque, ela poderá consultar o banco de informações e assim descobrir os endereços de IP (Internet Protocol) que foram utilizados anteriormente para práticas criminosas como phishing, por exemplo.

Outras recursos também foram incluídos, como a capacidade de determinar se alguma outra organização do setor já foi atacada ou analisar se existem padrões na gramática ou na origem de spams. Tais informações podeiram ser repassadas aos provedores de acesso (ISPs) e aproveitadas em métodos de prevenção.

A organização Anti-Phishing Working Group (APWG), que tem sido fundamental no desenvolvimento destes relatórios, planeja executar uma versão teste e acompanhar como as corporações compartilharão os dados neste formato. 

Um dos objetivos é verificar se uma empresa pode usar os relatórios da outra, sem que haja nenhum outro meio de comunicação, de acordo com um estudo do website APWG. 

"Na verdade, o intercâmbio de dados ajudará a refinar as questões operacionais, políticas e processuais que surgem quando uma questão como essa é levantada", segundo o documento APWG.

"Os arquivos seriam transferidos entre as instituições através de e-mail. Outro objetivo é ver se o formato do relatório pode oferecer suporte a diferentes idiomas. Muitos documentos são escritos por usuários em línguas diferentes do inglês, tornando o processo ainda mais difícil devido a natureza altamente técnica dos crimes", comunicou a APWG.
 
 
 
Fonte: IdGNow

 
Indique esta notícia Indique esta notícia para um amigo

Início Notícias  | Voltar