Página Inicial



twitter

Facebook

  Notícia
|

 

TV DIGITAL: NET NÃO VÊ PERSPCTIVAS PARA TER GINGA NUM CURTO PRAZO

11/08/2010

Apesar de apostar em novos modelos de serviços - está desenvolvendo aplicativos para unir a TV tradicional aos novos dispositivos móveis - a operadora não prevê, num curto prazo, a incorporação do ginga, o middleware da TV digital, no seu conversor. Uma das justificativas é a falta de padronização.

"Estamos conversando com o Fórum SBTVD e temos que levar para o nosso assinante todas as facilidades da TV aberta, e o ginga será uma delas mais à frente, com a interatividade, mas é preciso trabalhar mais para termos uma interface de software mais amigável, além de outras questões voltadas à incorporação dele ao nosso conversor", detalhou Márcio Carvalho, diretor de Serviços da Net, durante a ABTA 2010, evento que acontece na capital paulista.

O executivo informou ainda que participa de reuniões com o Forum SBTVD para tentar alinhavar uma estratégia comum para fomentar o uso do Ginga nos conversores da Net. Indagado se a ida da operadora para o desenvolvimento de novos aplicativos, entre eles, a possibilidade de o assinante levar a programação da TV para diferentes dispositivos, como o iPad, o iPhone e outros smartphones, não seria já uma frente para evitar a perda de assinantes para a TV aberta, com o SBTVD, o padrão nipo-brasileiro de TV, Carvalho disse que a competição é salutar e chegará, principalmente, nas classes de menor poder aquisitivo.

"O HD foi e é um diferencial, como já o foi ter uma imagem de ótima qualidade. Serviço será sempre o melhor caminho e o nosso projeto prevê, inclusive, a oferta de produtos por meio da computação em nuvem. O grande desafio, agora, além de reunir a tecnologia é o de estabelecer um modelo de negócio que o viabilize e tenha um preço que atraia o consumidor", pondera.

Sobre os aplicativos integrando a TV com dispositivos móveis, Carvalho não quis estimar um tempo para a realização de pilotos. "É preciso cautela com esses serviços. Acredito que se tudo correr dentro do previsto, em um ano possamos começar a deixar o caráter experimental e passar para testes práticos, com consumidores", completa Márcio Carvalho.

 
 
 
Fonte: Convergencia Digital

 
Indique esta notícia Indique esta notícia para um amigo

Início Notícias  | Voltar