Página Inicial



twitter

Facebook

  Notícia
|

 

GOOGLE FALHA EM PROJETO DE E-MAIL NA NUVEM PARA CIDADE DOS EUA

28/07/2010

Nesta semana, começou a vazar na imprensa norte-americana a informação de que o Google estourou o prazo, previsto em contrato, para migrar todo o sistema de e-mail da administração municipal da cidade de Los Angeles de uma plataforma Novell para o Gmail. O projeto deveria ter terminado em 30/6 e o grande responsável pela falha na entrega foi a dificuldade de atender às rígidas regras de segurança da informação do departamento de polícia da cidade, o LAPD (Los Angeles Police Department).

Em um encontro com membros do conselho municipal, a CIO do LAPD, Maggie Goodrich, disse que os requisitos de segurança não foram atendidos. ?A culpa foi do Google, que não conseguiu atender ao que foi solicitado?, afirmou a executiva.

A divulgação dos problemas com o prazo ocorreu na mesma semana em que houve um vazamento de correspondência entre departamentos da administração de Los Angeles e na qual eram apontados problemas de desempenho nos sistemas do Google, causando insatisfação nos usuários que participaram do piloto do projeto.

Também nesta semana, o Google anunciou o lançamento do Google Apps for Government, versão da suíte de aplicativos focada em atender políticas empresariais e requisitos avançados de segurança.

Histórico do projeto

A tentativa de Los Angeles de adotar Gmail tornou-se um argumento de relações públicas para o Google. A decisão de adotar a ferramenta da empresa ocorreu após a realização de uma concorrência, na qual a Microsoft chegou a fazer um lobby agressivo. Acabou também servindo como um exemplo para que outras agências governamentais considerassem a computação em nuvem para e-mail e aplicativos de produtividade.

Com a falha do Google em cumprir o prazo, os cerca de 20 mil funcionários da prefeitura de Los Angeles vão permanecer no sistema antigo de e-mail, o que obrigará a cidade a pagar pelas duas plataformas. O que pode gerar à cidade um prejuízo anual em torno de 400 mil dólares.

O analista de tecnologia Rob Enderle, proprietário da consultoria Enderle Group, afirma que o caso mostra que ganhar um contrato grande não significa que a fornecedora preenche os requisitos de uma grande empresa ou de uma entidade do governo. ?Isso porque, pode levar mais de uma década para que uma companhia consiga atender corporações?. 

A dificuldade em entrar no mercado corporativo remete ao problema que a Netscape teve ao trilhar o mesmo caminho no passado. Segundo Enderle, o Google não corre o risco de ter o mesmo fim, uma vez que tem uma poderosa fonte de receitas na área de busca. Mas ele aponta que está claro que a companhia ainda não está pronta para oferecer soluções para grandes corporações e para o setor público. ?O Google se recusa a aprender com os erros e isso está custando caro à organização e aos primeiros clientes. Qualquer acordo desse tipo deveria ser construído com contratos que previssem grandes multas em caso de falha?, complementa o analista.

No caso de Los Angeles, o Google concordou em compensar o município pelo que está pagando para manter o velho sistema da Novell até o mês de novembro, informou o assistente da gerência do departamento de TI da cidade, Kevin Crawford. E o município ainda está tentando negociar os custos inesperados que porventura ocorram depois desse período.

O revés do Google pode prejudicar a própria empresa, à medida que dificultará a venda de suas soluções e a disseminação do conceito de cloud. De acordo com a analista da Forreter Sheri McLeish, não é o fim do mundo para a companhia, mas mostra que a execução de sua estratégia na nuvem, tão bem colocada em campanhas de marketing, não é tão simples quanto a empresa quer fazer parecer.

?O Google mostra falta de experiência com requisitos corporativos e passa a causar mais desconfiança em todos os negócios nos quais segurança da informação e privacidade são considerados críticos?, conclui Sheri.
 
 
 
 
Fonte: Computerworld

 
Indique esta notícia Indique esta notícia para um amigo

Início Notícias  | Voltar