Página Inicial



twitter

Facebook

  Notícia
|

 

OPÇÃO POR SP DÁ LUCRO À OI DE R$ 500 MILHÕES NO TRIMESTRE

14/05/2010

A Oi encerrou o primeiro trimestre de 2010 com um lucro de líquido de 496 milhões de reais, contra 11 milhões de reais registrados em igual período do ano passado. O resultado reflete ganhos de sinergia com a Brasil Telecom (BrT), que teriam gerado já 1,1 bilhão de reais desde a sua incorporação em janeiro de 2009 -- 300 milhões de reais desse total no primeiro trimestre deste ano.

O diretor de finanças e relações com investidores da operadora, Alex Zornig, afirmou que também contribuíram para o balanço menores custos financeiros, renegociações de preços com fornecedores e melhor desempenho na venda de serviços, apesar da queda de market share (de 20,73% do País em dezembro último; para 20,41%, em março, conforme dados da Agência National de Telecomunicações). Segundo o executivo, a estratégia da empresa é rentabilizar a base de assinantes, o que significa também expandir a participação no mercado de São Paulo. ?Market share é bom pra mídia, mas não dá lucro?, disse.

A meta é atingir dentro de dois anos uma participação de 25% em São Paulo, mercado que concentra os assinantes de maior poder aquisitivo. No final do trimestre, o Estado de São Paulo representava 16% da base de clientes móveis da Oi, com 5,7 milhões de usuários, e 16,4% na Grande São Paulo.

Zornig não revela, contudo, os índices previstos para as outras regiões do País. Rentabilizar significa, disse ele, fortalecer serviços novos, aumentar a participação do pós-pago, investir em serviços de maiores valores agregado (como o Oi Controle, pós-pago que permite débito em cartão de crédito, ou o Oi Convergente Conta Total, que chegou ao fim de março com 1,5 milhão de clientes, 40% dos pós-pagos de São Paulo, e que ainda não foi lançado na região II).

Efeito dessa diretriz de priorizar faturamento e não tamanho da base, a receita média por usuário (Arpu) da telefonia móvel cresceu 3,3% em comparação com os primeiros três meses do ano passado, fechando em 21,8 milhões. Essa variação, segundo a Oi, traduz crescimento do faturamento com comunicação de dados. Da sua receita bruta total, 45% vieram de serviços de valor adicionado e dados, influenciados pela redes 3G e SMS.

O balanço do trimestre registra crescimento -- de 2,7% -- na receita bruta (11,5 bilhões de reais) e de 6,5% no Ebitda (lucro antes de despesas financeiras, impostos, depreciações e amortizações) consolidado, de 2,53 bilhões de reais, em relação ao primeiro trimestre de 2009.

Apesar de a receita ter variado pouco, a empresa contabilizou 4,6 milhões de novos clientes, totalizando 62,2 milhões de usuários, sendo 21,1 milhões na telefonia fixa; 36,6 milhões na móvel; 4,3 milhões em banda larga; e 283 mil em TV por assinatura. A telefonia móvel foi o serviço que mais cresceu ? 15%, em comparação a março do ano passado, devido principalmente à operação em São Paulo. A receita operacional bruta da telefonia móvel somou cerca de 2,6 bilhões de reais, aumento de 14,6% em relação ao primeiro trimestre de 2009.

Investimentos

A Oi investiu 372 milhões de reais no trimestre, 5% da receita líquida, sendo 36% em cobertura do serviço de telefonia móvel e 42% em infraestrutura de transmissão de dados (banda larga). Zornig explicou que os valores abaixo da média se justificam face à concentração de desembolsos feitos no último trimestre de 2009, de 1,9 bilhão de reais.

Para todo o ano de 2010, a intenção é aplicar entre 3 bilhões de reais e 4 bilhões de reais, 55% na rede fixa, 45% na móvel. Na distribuição geográfica, 40% serão aplicados na região II, 20% em São Paulo (que já recebeu a maior parte dos investimentos) e o restante nas demais regiões. Zornig garante que a empresa está em dia com as metas fixadas pela Anatel, tendo expandido o serviço para 460 municípios, alçando 3 mil cidades em todo o Brasil.

Ao fim de março, a dívida líquida da empresa era de aproximadamente 21,3 bilhões de reais uma queda de 620 milhões de reais em relação a dezembro de 2009. Com isso, a dívida líquida caiu para 2,1 vezes o Ebitda no final do primeiro trimestre.
 
 
 
 
Fonte: Computerworld

 
Indique esta notícia Indique esta notícia para um amigo

Início Notícias  | Voltar