Página Inicial



twitter

Facebook

  Notícia
|

 

PAGAMENTO ELETRÔNICO APOSTA EM SEGURANÇA E GESTÃO DE RISCOS

26/11/2009 01:00:00

Não bastam as ferramentas de pagamento eletrônico oferecerem funcionalidades além do acerto de contas com lojas online: as empresas responsáveis pelas plataformas no Brasil têm que investir em segurança para vencer a desconfiança dos consumidores.

Para ajudar na popularização, serviços que atuam no Brasil, como PagSeguro, MoIP, Mercado Pago e Pagamento Digital, investem em servidores dedicados, parcerias com grandes revendedores e equipes de analistas que coíbem fraudes como forma de atrair novos clientes.

?O brasileiro pouco a pouco vai se acostumando com este pagamento. O grande tabu ainda é a questão a segurança, e não apenas para o pagamento eletrônico?, explica o cofundador e diretor geral do MoIP, Igor Senra, parceira de desenvolvedoras de solução de e-commerce como Jet, EZ Commerce e Tray Sistemas.

Da mesma forma como é prejudicado pela desconfiança do consumidor, o sistema de pagamento eletrônico pega carona na crescente popularização do comércio eletrônico no Brasil. Este ano, as vendas  natalinas devem ser 30% maiores do que as registradas em igual período de 2008, alcançando 1,63 bilhão de reais, de acordo com a consultoria e-bit.

O avanço do comércio eletrônico brasileiro fica ainda mais evidente se considerarmos que, em cinco anos, o setor cresceu seis vezes ? em 2004, foram movimentados 1,75 bilhão de reais.

A maneira como pequenos e médios comerciantes na internet se apoiam nos sistemas para que seus produtos sejam vendidos com um risco menor de fraude por parte do consumidor faz com que a segurança seja necessária não apenas para o usuário final.

Isso implica no risco das empresas de pagamento eletrônico assumirem potenciais prejuízos quando é o consumidor que lesa o lojista, como explica o diretor de projetos especiais do UOL, Ricardo Dorta, responsável pelo PagSeguro.

Verifica
A preocupação do UOL em investigar as causas que levam a problemas nas compras online levou à formação de um grupo, composto com cerca de 30 pessoas, que foi ?emancipado? do PagSeguro e, como empresa independente, recebeu o nome de Verifica.

?Todo pagamento recebe ?score? de alto, médio ou baixo risco e, dependendo da classificação, tomamos ações como cancelar a conta, entrar em contato e pedir mais informações para garantir que a pessoa que está pagando é quem fala que está pagando?, detalha ele.

O cuidado é uma forma de diminuir a incidência do que o mercado de pagamentos eletrônicos se acostumou a chamar de ?chargeback?: após receber o produto o comprador malicioso cancela o pagamento, repassando o prejuízo para o lojista.

?Fazemos monitoramento e não repassamos (o ?chargeback?). Tentamos ir atrás, mas se não conseguimos, assumimos o prejuízo. Nossos índices de perda estão abaixo dos índices de perda do mercado?, afirma Dorta, sem citar explicitamente a porcentagem de fraudes no total de transações pelo PagSeguro.

A pluralidade da equipe envolvida na operação do PagSeguro prevê ainda funcionários que tenham contato constante com os bancos, resolvendo possíveis problemas de conexões com as instituições financeiras, e responsáveis pela área técnica que cuidam dos servidores dedicados para a plataforma.

O Mercado Pago, sistema de pagamento eletrônico do Mercado Livre usado apenas para transações dentro do portal de leilões, opera, pelo menos no quesito técnico, em sistema semelhante, com servidores dedicados e técnicos que cuidam da infraestrutura.

O Mercado Livre, porém, não detalha especificamente sua organização interna relativa à segurança da plataforma, afirmando apenas que o setor emprega cerca de 200 funcionários na América Latina, com estratégia mais voltada para ?a prevenção que para a ação?, segundo a empresa.
 
 
Fonte: Computerworld

 
Indique esta notícia Indique esta notícia para um amigo

Início Notícias  | Voltar