Página Inicial



twitter

Facebook

  Notícia
|

 

HACKER DA BATATA FRITA

24/11/2009 01:00:00

Imagine a cena: uma grande empresa multinacional possui rede wireless (sem fio) local de acesso aos seus colaboradores. As ondas se propagam de maneira circular e ultrapassam os limites físicos do prédio das quais são emitidas. Do lado de fora, um hacker estaciona seu carro nas proximidades e com uma singela lata de batatas fritas rouba dados sigilosos.

Ficção? Segundo o professor de Informática da ULBRA Canoas, André Peres, essa prática já foi descoberta e tem deixado muitos gestores de empresas com os cabelos em pé. Mas está com os dias contados.

Que história é essa de batata frita espiã? Na realidade não é a batata, mas sim a sua embalagem (lata) que serve como ?antena? para receptar o sinal de uma rede corporativa.

?O fundo de metal da lata, em conjunto com alguns componentes eletrônicos, pode se transformar em um receptador de sinais?, comenta o professor. O estudo de falhas ou brechas que permitem a violação de sistemas tem sido objeto de pesquisa desse docente da ULBRA, que inclusive montou o próprio negócio e hoje presta consultoria para diversas empresas.

Graduado em 1996, André partiu para o mestrado (2000) e doutorado (2004), ampliando suas pesquisas em segurança de redes. Mas engana-se quem pensa que segurança é apenas defender seus sistemas a invasões e furtos de dados.

No caso do ?hacker das batatas fritas?, André já desenvolveu um protótipo que vem obtendo resultados satisfatórios. As redes sem fio convencionais trabalham com a emissão de sinais a partir de uma antena específica. Dessa forma não há como precisar um ponto dentro do raio de ação. Com o projeto do professor, três antenas dispostas a distancias pré-estabelecidas, emitem o mesmo sinal e dentro do triângulo formado por elas determina-se a ação das ondas. Os primeiros testes isolaram a rede em uma sala de aula retangular.

?Dentro das salas, os alunos conseguem entrar na rede, porém se estiverem do lado de fora, o sistema de localização não permite que se conectem?, explica. E quanto mais antenas forem instaladas, mais precisão na hora de delimitar o acesso ou localizar um ponto.
 
 
 
Fonte: PcMag

 
Indique esta notícia Indique esta notícia para um amigo

Início Notícias  | Voltar