Página Inicial



twitter

Facebook

  Notícia
|

 

MCAFEE ALERTA CONTRA GUERRA CIBERNÉTICA

18/11/2009 01:00:00

Os ataques na internet ganham cada vez mais conotação política, e as empresas devem se preparar caso não queiram ser atingidas.

Estas são alguns dos resultados do 5.º Relatório de Criminologia Virtual de 2009, divulgada mundialmente pela McAfee nesta terça-feira (17/11).

Com o título "Virtualmente real - A era da guerra cibernética", o documento chama atenção para o crescente caráter político dos ataques na internet.

Um exemplo seriam as ofensivas à Geórgia durante a guerra da Ossétia do Sul na Ásia, em 2008.

Fogo cruzado
"Se um grande conflito cibernético entre países vier a ocorrer, é muito provável que o setor privado seja pego no fogo cruzado", alerta o relatório.

O documento inclui cinco países na lista dos que vêm desenvolvendo sistemas cibernéticos de defesa: Estados Unidos, França, Israel, Rússia e China.

No entanto, a empresa lamenta que o debate sobre guerra cibernética ainda esteja ocorrendo entre portas fechadas. "Governos, corporações e cidadãos têm interesse no futuro da internet", enfatiza.

A necessidade de maior cooperação internacional é apontada, no relatório, pelo diretor do Departamento de Segurança da Informação e Comunicações da Presidência da República, Raphael Mandarino Junior.

?Como as ameaças na internet são globais por natureza, a luta para acompanhar essa evolução exige uma estrutura jurídica aprimorada?, disse o diretor.

Pela definição
Para definir o que é guerra cibernética, a McAfee propõe analisar quatro quesitos: origem, consequência, motivação e sofisticação.

Se o ataque foi realizado por um país, causou danos, teve motivação política ou exigiu planejamento complexo, então é provável que se esteja diante de uma batalha cibernética.

Uma noção revista pela McAfee é que não há mais distinção entre crime cibernético e guerra cibernética, já que, segundo o relatório, alguns países consideram organizações criminosas como "aliadas".

Alvos preferidos
O relatório cita especialistas para afirmar que as infraestruturas dos países, incluindo o sistema bancário e financeiro, refinarias, redes elétricas, de água e esgoto, entre outras - são alvos prováveis.

"Se adversários quisessem atacar países na internet, eles escolheriam alvos com os quais pudessem infligir os maiores impactos com o mínimo de esforço", disse ao relatório Masaki Ishiguro , pesquisador de segurança da informação, do Instituto de Pesquisa da Mitsubishi.

O desafio do setor privado será preparar-se para a contingência de um ataque sem depender unicamente dos governos, estabelecendo o que a McAfee define como "defesa ativa".

Colaboração mútua
Em muitos casos, em caso de ataque, os próprios países poderão precisar da ajuda de empresas privadas.

A professora Dorothy Denning, da Escola Naval de Pós-graduação, ouvida pelo relatório,  ressalta que provedores de internet e empresas de segurança já evitaram ataques.

Nesse aspecto, o relatório ressalta a iniciativa brasileira de criar uma lei obrigando provedores a manter registros de acesso à internet por três anos.

A consultora Vanda Scartezini, da Pólo, disse, no relatório, que esse é o equilíbrio ideal, pois ?as empresas de telecomunicações, embora possam ajudar os governos a identificar os ataques, não podem ser responsabilizadas pelo conteúdo da internet.?
 
 
Fonte: IdgNow

 
Indique esta notícia Indique esta notícia para um amigo

Início Notícias  | Voltar