Página Inicial



twitter

Facebook

  Notícia
|

 

SUÍÇA PROCESSA O GOOGLE POR INVASÃO DE PRIVACIDADE

16/11/2009 01:00:00

O governo suíço, conhecido pelo apreço ao sigilo, vai levar o Google aos tribunais por invasão da privacidade. O alvo é o aplicativo Street View, que permite ao usuário observar imagens reais e atuais de um dado endereço, em 360 graus.

Segundo comunicado do Ministério da Justiça suíço, o Comissário Federal de Proteção de Dados e Informações, Hanspeter Thür, pediu ao Google em setembro que tomasse medidas para proteger a privacidade dos cidadãos. Mas a empresa se negou a acatar as solicitações e, passados dois meses, nenhuma mudança ocorreu, o que levou à abertura de uma queixa.

A ação é a primeira do tipo vinda de um governo e não tira o serviço do ar --o aplicativo ainda funcionava ontem à noite. Mas, enquanto não sair uma decisão, impede que sejam tiradas mais fotos, congelando a expansão do programa.

O Google Street View entrou no ar na Suíça em agosto, mais de dois anos depois de ser criado nos EUA. O serviço utiliza fotos para compor uma panorâmica tridimensional do local. Não há câmeras com transmissão em tempo real.

Para o governo suíço, no entanto, "inúmeras fachadas e placas de carros não foram disfarçados o suficiente para que se tornassem irreconhecíveis do ponto de vista da proteção de dados, sobretudo em relação a pessoas mostradas em locais sensíveis como hospitais, prisões ou escolas".

Teste

A Folha testou o programa em Genebra e constatou que as imagens das fachadas são precisas. Mas placas de veículos e a fisionomia dos transeuntes estão borradas. No caso de endereços de hospitais, em nenhuma ocasião foi oferecida a possibilidade de visualizar a rua em questão --a reportagem não sabe afirmar, no entanto, se isso já ocorria antes da moção.

O comissário suíço alega que o Google ofereceu informações incompletas ao dizer que "usaria imagens apenas de grandes centros urbanos e depois colocar na internet detalhes de muitas cidades".

No seu entender, em cidades pequenas, borrar a fisionomia dos retratados não é suficiente para impedir sua identificação. Roupas, cabelos e até o biotipo levam ao reconhecimento.

Outro ponto criticado pelo comissário é a altura da câmera ao capturar as imagens, que permite enxergar por sobre cercas e muros. O governo do Japão já havia manifestado preocupação similar, mas se satisfez quando a empresa aceitou baixar as câmeras.

O Google, em comunicado reproduzido pela imprensa europeia, se disse "decepcionado" com a decisão e afirmou que vai contestá-la. A empresa considera o Street View "totalmente legal" e diz ter explicado ao governo como funcionaria o programa antes de introduzi-lo, tendo sugerido "medidas para fortalecer a privacidade".
 
 
 
Fonte: Folha

 
Indique esta notícia Indique esta notícia para um amigo

Início Notícias  | Voltar