Página Inicial



twitter

Facebook

  Notícia
|

 

SEM CAPITAL DE RISCO, NOVAS EMPRESAS DE WEB BUSCAM ALTERNATIVAS

16/09/2009

Empresas de web iniciantes que participaram da conferência da Tech Crunch deste ano enfrentam um ambiente financeiro que secou a fonte de capital de risco, forçando seus fundadores a procurarem amigos, familiares e fundações para financiar seus negócios.

Dan Olsen, formado pela Stanford Business School, é apenas um de muitos empresários que apresentaram seus novos softwares na conferência de tecnologia desta segunda e terça-feira.

Olsen afirmou que não conseguiu garantir qualquer investimento inicial e, portanto, pediu ajuda aos amigos em dinheiro --e também a boa vontade de trabalharem por comida-- para desenvolver seu "sistema de descobertas em tempo real", que pesquisa Twitter, Facebook e outros lugares na Internet para uma busca especializada chamada de "Yourversion".

"Meus amigos vêm pra minha casa no sábado e passam o dia inteiro programando e, no final, fazemos um churrasco e tomamos uma cerveja", disse. "Eu ofereço capital-alimentação".

Queda recorde

A Associação Nacional de Venture Capital dos EUA informou que o número de investimentos executados com capital de risco no segundo trimestre deste ano caiu para seu nível mais baixo desde 1996.

"Muitos especulam que 2009 representa um ano decisivo na indústria de capital de risco", disse o investidor de start-ups da Benchmark Capital Bill Gurley, em recente comentário em seu blog.

"No total, deve-se esperar que um grande número de firmas de venture capital feche as portas nos próximos cinco anos", escreveu.

Como muitos outros investidores, ele crê que a indústria pode encolher para a metade do que é hoje.

A presidente-executiva da Objective Marketer, Amita Paul, também fundou sua empresa com a ajuda de amigos e de familiares, e agora cobra por seus serviços de marketing em mídias sociais. Ela disse que, provavelmente, é melhor esperar o mercado se estabilizar mais antes de procurar investimento externo.

"Vamos esperar uns seis meses, até que as avaliações fiquem melhores", acrescentou.
 
 
 
 
Fonte: Folha

 
Indique esta notícia Indique esta notícia para um amigo

Início Notícias  | Voltar