Página Inicial



twitter

Facebook

  Notícia
|

 

PREPARADOS PARA O E-BOOK?

07/05/2009

O Kindle, da Amazon

O mercado editorial global se agitou com o surgimento dos livros virtuais, ou e-books. A expectativa é que os aparelhos que permitem acessar obras pela via digital possam se tornar aliados para aumentar o faturamento das editoras. Mas isso acontece no exterior. No Brasil, o crescimento desse segmento ainda esbarra no difícil acesso a equipamentos compatíveis, que custam caro e têm seu uso em boa parte limitado aos consumidores que vivem na Europa, nos Estados Unidos e no Japão.

Desde que o Rocket E-book surgiu, em 1998, lançado pela NuvoMedia Inc, muita coisa mudou. O primeiro livro eletrônico tinha como maior deficiência o fato de seu conteúdo não ser compatível com o dos demais aparelhos que surgiram depois. Com isso, as editoras que disponibilizam conteúdo virtual tiveram de trabalhar com diversos formatos e modelos de texto.

Com o avanço tecnológico, a leitura por meio do e-book ficou mais agradável. Os equipamentos de hoje têm a espessura de um lápis e páginas adaptadas para ler sob o sol e utilizam rede wireless com carregamento mais veloz de arquivos. O Sony Reader, lançado em outubro de 2006, e o Kindle, da varejista Amazon, no mercado desde 2007, são a sensação da literatura digital, ao menos nos países onde ela está mais desenvolvida.

O Kindle já tem cerca de 250 mil livros em sua loja online. Ele tem para download, por exemplo, o best seller Crepúsculo, de Stephenie Meyer, por US$ 6,04, além das edições da revista The New Yorker e do jornal The New York Times. O Reader também tem um acervo vasto - como o celebrado O Leitor, de Bernard Schlink, por US$ 11,99, e o clássico Moby Dick, de Herman Melville.

A tendência é de que essa "biblioteca" fique ainda maior, já que o Google "cedeu" meio milhão de clássicos digitalizados para os usuários do Reader fazerem suas consultas gratuitamente.

No entanto, o preço dos aparelhos ainda é bastante salgado. A segunda versão do Kindle, lançada recentemente, não sai por menos de US$ 359 no site da Amazon. O Reader é vendido na página da Sony por US$ 299,99.

No movimento a favor da leitura sem papel também estão a Netronix, de Taiwan, que produz modelos touchscreen, e a Polymer Vision, da Holanda, que vai desenvolver um modelo dobrável.

Há quem diga que o formato digital irá superar os livros de papel em um futuro breve. Rosely Boschini, presidente da Câmara Brasileira do Livro (CBL), porém, considera isso improvável. "As revistas e os jornais impressos não foram substituídos pelos sites de notícias. Volta e meia, anuncia-se ao mundo a ´morte´ de alguma coisa. Mas o fato é que o público tem seus hábitos, e o prazer de folhear literalmente um livro ou uma revista é único", diz.

Apesar disso, Rosely acredita que as novas editoras vão aderir às novas tecnologias. "Só que isso não acontecerá do dia para a noite. Nos Estados Unidos, onde o comércio de e-books está pelo menos cinco anos mais adiantado do que no Brasil, as obras digitalizadas correspondem a mais ou menos 1% das vendas", observa.

De qualquer maneira, para se manterem competitivas as editoras precisam estar atentas às tendências e inovar. Neste ano a gigante Barnes & Noble comprou a editora eletrônica Fictionwise, por US$ 15,7 milhões, em uma movimentação que reflete o objetivo de competir nos formatos eletrônicos, assim como o fez a editora norte-americana HarperCollins, sediada em Nova York, que lançou o programa Ful Acess, dando acesso em seu site a edições completas de títulos de seu catálogo, entre os quais estão A Bruxa de Portobello, de Paulo Coelho.

Incentivando o acesso ao conhecimento disponível nos livros, a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) inaugurou recentemente a Biblioteca Digital Mundial, que permite que os internautas consultem sem custo algum - e em diversas línguas - o acervo de bibliotecas e instituições culturais de diversos países, entre eles o Brasil.

Mercado brasileiro

De olho nas demandas do consumidor, uma série de editoras brasileiras nasceu para atuar especificamente no ambiente digital. A Papel Virtual surgiu como um projeto de pós-graduação de um aluno da PUC/Rio em 1998 e baseia-se na publicação de livros científicos. Ali, os leitores podem escolher entre comprar o livro no formato tradicional (em papel) ou em arquivos digitais. A iEditora, inaugurada em 2000, é mais voltada aos livros de informática e começou vendendo livros em formato PDF pela web.

A Pearsons já disponibiliza cerca de 80% dos livros da editora em sua biblioteca virtual universitária, em que é possível ler as obras na íntegra. "O meio editorial vem sofrendo com o conteúdo fracionado e compartilhado, assim como aconteceu com a indústria da música. A biblioteca surgiu como alternativa para o cliente, que coíbe esse tipo de prática", explica Roger Trimer, gerente editorial da Pearson Education. A editora também estabeleceu parcerias com universidades, que pagam pelo conteúdo para disponibilizá-lo aos alunos. "Essa área ainda está engatinhando no Brasil muito em função da questão da segurança. A internet é frágil com relação à proteção. Acredito que nossa indústria esteja esperando um padrão para vender conteúdo de maneira segura", explica.

Na Editora Melhoramentos o processo de digitalização já começou. Breno Lerner, diretor geral da empresa, afirma que só vê vantagens nesse processo, já que haverá redução dos custos com esse novo canal de distribuição. "Já temos dicionários online há algum tempo e estamos com uma proposta adiantada para fornecer conteúdo para dois portais. É preciso entender que nós somos fornecedoras de conteúdo, não importa qual seja a mídia. Enxergo este momento como uma oportunidade, e não uma ameaça", conclui.
 
 
 
Fonte: M&M Online

 
Indique esta notícia Indique esta notícia para um amigo

Início Notícias  | Voltar