Página Inicial
  • Lista de Compras
  • Humor


twitter

Facebook

  Notícia
|

 

NAPSTER É VENDIDO POR US$ 70 MILHÕES PARA STARTUP DE SHOWS VIRTUAIS

8/31/2020

A compra foi feita pela startup MelodyVR, de transmissão de shows em realidade virtual. Segundo um executivo da empresa, a aquisição tem como intuito lançar um serviço de streaming inédito

Após anos de ostracismo, o nome Napster voltou a ser notícia esta semana. Segundo o tabloide britânico The Guardian, o tradicional software de compartilhamento de arquivos foi vendido para a startup de shows online MelodyVR. A aquisição foi feita por um valor surpreendente de R$ 377 milhões (em torno de US$ 70 milhões).

A MelodyVR trabalha com filmagem e transmissão de shows em realidade virtual. The Chainsmokers, Cypress Hill e Emeli Sandé são alguns artistas que já tiveram seus concertos exibidos pela plataforma. Com a aquisição, a empresa deverá assumir total controle da Rhapsody International, responsável por operar o Napster, além de assumir seus 3 milhões de usuários e sua biblioteca com mais de 90 milhões de faixas licenciadas.

Segundo o executivo-chefe da MelodyVR, Anthony Matchett, a compra do Napster nasceu com o intuito de apresentar um serviço de música inédito. “Resultará no desenvolvimento da primeira plataforma de entretenimento musical que combina conteúdo visual imersivo e streaming de música”, ele comenta.

A empresa também montou estúdios em Londres e Los Angeles para ceder espaço aos shows dos artistas. Mais de 100 artistas fizeram shows de realidade virtual até o momento.

História do Napster
Fundado em 1999 pela dupla Shawn Fanning e Sean Parker, o Napster foi um dos primeiros serviços de compartilhamento de música e outros arquivos. Segundo especialistas, a plataforma foi um dos grandes responsáveis por sepultar o mercado de CDs no início dos anos 2000.

Em sua trajetória, o Napster também se envolveu em polêmicas judiciais: a banda Metallica chegou a colocar a processar o serviço por facilitar a infração de direitos autorais. Foi o primeiro caso que envolveu um artista processando uma empresa de software de compartilhamento de arquivos. O processo seguiu até 2002, quando o Napster entrou com pedido de falência.

Mais tarde, a empresa também foi comprada pelo Roxio e pela Best Buy, passando para a Rhapsody International em 2016.

 

Fonte: Olhar Digital

 

 
Indique esta notícia Indique esta notícia para um amigo

Início Notícias  | Voltar