Página Inicial



twitter

Facebook

  Notícia
|

 

SATÉLITE CHINÊS CAPTURA BELA VISTA DA TERRA A PARTIR DA ÓRBITA LUNAR

18/06/2018

Depois de uma jornada de 20 dias, o satélite de retransmissão de comunicações lunares Queqiao, da China, chegou à órbita lunar. O Longjian-2, microssatélite que faz companhia ao principal, não perdeu tempo e tirou umas fotos bem legais da Terra e da superfície lunar.

O Queqiao é um componente chave da missão de aterrissador e rover Chang’e 4, em que vai fornecer um link de comunicações contínuas com a Terra enquanto a sonda faz seu trabalho de exploração no lado escuro da Lua. A Chang’e 4 deve ser lançada em algum momento em dezembro deste ano.

• Foto espacial dá ideia da diferença de tamanho entre a Lua e a Terra
• Experimento com detonador de rochas mostra que água da Terra pode mesmo ter vindo de asteroides

Mas o Queqiao foi lançado com um par de companheiros, os microssatélites Longjiang-1 e Longjiang-2. Infelizmente, algo deu errado com o Longjiang-1, e ele nunca deixou a órbita da Terra. Porém, seu satélite-irmão fez o percurso todo, até o segundo ponto Lagrangiano (L2) do sistema Terra-Lua.

O Longjiang-2, que mede cerca de 50 centímetros de diâmetro, é equipado com uma câmera óptica saudita. A Administração Espacial Nacional da China divulgou três fotos tiradas pelo microssatélite em 14 de junho, uma mostrando parte do Mare Imbrium, da Lua.

 

Seção Mare Imbrium na Lua. Imagem: CNAS

 

Porém, o microssatélite fará mais do que apenas tirar fotos bonitas — ele também está preparado para fazer experimentos científicos legais. Livre da ionosfera da Terra, o satélite será capaz de fazer radioastronomia de baixa frequência e experimentos de rádio amadores.

O próximo passo na missão será testar a antena parabólica de quatro metros do Queqiao. O satélite de retransmissão deverá conduzir suas tarefas de retransmissão de dados a uma distância de aproximadamente 500 mil km da Terra.
 
 
 
Fonte: Gizmodo

 

 
Indique esta notícia Indique esta notícia para um amigo

Início Notícias  | Voltar