Página Inicial



twitter

Facebook

  Notícia
|

 

SERVIÇO DE HOSPEDAGEM DA COREIA DO SUL PAGA UM MILHÃO DE DÓLARES PARA SE LIVRAR DE RANSOMWARE

21/06/2017

A empresa sul-coreana de hospedagem de internet Nayana começou a pagar o maior resgate já registrado para um ataque de ransomware: o equivalente a um milhão de dólares.

O ato de desespero foi uma tentativa de restabelecer os serviços de 3.400 sites hospedados que estavam paralisados desde o dia 10 de Junho, quando aconteceu a contaminação.

A Nayana foi vítima de um ransomware identificado como Erebus, pela Trend Micro. A ameaça se alastrou por 153 servidores Linux da empresa e criptografou os arquivos de praticamente todos os seus clientes. Inicialmente, os cibercriminosos responsáveis pelo ataque exigiram um pagamento combinado em bitcoins que chegaria a US$1.6 milhão de dólares em moeda digital, mas, após intensas negociações,  o valor total foi reduzido para cerca de um milhão de dólares, dividido em três prestações.

Dois terços do resgate já foram pagos e a empresa acredita que possa restaurar os serviços de seus clientes em breve. A parcela final só será paga depois da liberação completa dos arquivos afetados cobertos pelas duas primeiras parcelas. “É muito frustrante e difícil, mas nós estamos realmente fazendo nosso melhor e iremos fazer nosso melhor para garantir que todos os servidores sejam normalizados”, comunicou a e Nayana em uma postagem oficial.

Um relatório recente publicado pela Trend Micro aponta que ao longo de 2016, os operadores de ransomware lucraram US$1 bilhão com seus ataques. No período registrado houve um aumento surpreendente de 752% no número de famílias de ransomware, com diversas variantes identificadas.

A recomendação dos especialistas é que as vítimas desse tipo de ataque não cedam às exigências dos cibercriminosos, uma vez que não há qualquer garantia que o procedimento de liberação dos arquivos será mesmo efetuado. Além disso, o número de vítimas que optam por pagar o resgate serve de incentivo para a disseminação ainda maior dessa nova modalidade de crime eletrônico.
 
 
 
Fonte: Codigo Fonte

 
Indique esta notícia Indique esta notícia para um amigo

Início Notícias  | Voltar