Página Inicial



twitter

Facebook

  Notícia
|

 

APLICATIVO É APROVADO COMO CONTRACEPTIVO

23/02/2017

Você já pensou na possibilidade de um aplicativo ser tão bom e tão certeiro que funcionaria como contraceptivo? Pois é, isso já é realidade. Uma agência sueca aprovou recentemente o app Natural Cycles como um método de contracepção.

Por mais de um ano, Elina Berglund, que fundou a Natural Cycles, juntamente com seu marido Raoul Scherwizl, lutou para que o aplicativo fosse aprovado como um contraceptivo. A aprovação veio da organização alemã de inspeção e certificação Tüv Süd.

A aplicação foi classificada como medicinal de IIb. Com essa certificação, o app Natural Cycles agora pode ser oferecido como um método real, testado clinicamente, de controle de natalidade que foge da tradicional opção da pílula anticoncepcional.

O app funciona da seguinte forma: o startup calcula o ciclo fértil de uma pessoa com um algoritmo, medindo a temperatura debaixo da língua todas as manhã e colocando a informação nos dados do aplicativo. Com essa informação o app vai determinar se a pessoa está ou não em um período fértil, assim dá a noção ao usuário se naquele dia é possível ter uma relação desprotegida, por exemplo.

Na descrição do aplicativo, a empresa aponta que a possibilidade de falhas é bem pequena. “Natural Cycles tem um Índice de Pearl de 0,5 de falha, ou seja, 5 mulheres entre 1.000 engravidam durante um ano devido a um dia erroneamente atribuído como verde”.

No ano de 2015, o casal que encabeça o projeto chegou a sofrer uma investigação de suas atividades pela Agência de Medicamentos Sueca, logo depois informações sobre essa investigação fora vazada e a empresa sofreu uma baixa em seus números. Foi registrada, em outubro, uma receita de US$ 280 mil; em dezembro, já era US$ 120 mil. Até mesmo matérias que acusavam a startup de tentar enganar jovens, a empresa teve que enfrentar.

O Natural Cycles no momento tem mais de 150 mil usuários, em cerca de 160 países e um estudo clínico que provou a sua eficácia com relação a pílula anticoncepcional.


Fonte: Ziggi

 
Indique esta notícia Indique esta notícia para um amigo

Início Notícias  | Voltar