Página Inicial



twitter

Facebook

  Notícia
|

 

ROTEADOR DE R$ 3.000 É CARO, MAS É POTENTE E VAI ALÉM DO QUE PROMETE

12/09/2016

 

O roteador Ultra Wi-Fi AC 5300 DIR-895L, modelo voltado para uso pesado de redes Wi-Fi, opera em bandas largas com grandes quantidades de transmissão e vários usuários simultâneos. Cheio de recursos avançados, ele não custa barato: chegou a R$ 2.999 para o Brasil. Vale a pena pagar por isso? Se você ou sua empresa está no perfil e tem esse dinheiro, vale sim.

Em primeiro lugar, é importante colocar o preço alto em perspectiva. É evidente que não estamos falando de um roteador convencional para pequenas residências, que custa cerca de R$ 70 no mercado. Este modelo usa o padrão de Wi-Fi 802.11ac --com velocidade de até 1.300 Mbps (megabytes por segundo), enquanto o mais usado hoje, o 802.11n, permite até 600 Mbps.

Além disso, ele é tri-band, isto é, trabalha com três bandas de rádio, consegue triplicar a velocidade para 5.300 Mbps, como diz no nome. São 1.000 Mbps usados em uma frequência de 2,4 GHz e 4.334 Mbps nas outras duas de 5 GHz. O usuário não precisa trocar de login ou senha de rede se migrar de um dispositivo que opera apenas em 2,4 GHz para outro que usa 5 GHz.

O modelo também aceita conectividade com cabos Gigabit, de altíssima velocidade, usada em streaming de vídeos em resolução 4K e jogos online.

Existem outros modelos no mercado nacional que trazem essas características --não testadas pela reportagem-- como o Archer C3200 da TP-Link ou o RT-AC5300 da Asus. Ambos também não custam barato: o da TP-Link está por cerca de R$ 2 mil, enquanto o da Asus ultrapassa os R$ 4 mil. O modelo da empresa de Taiwan D-Link está de acordo com o mercado.

Nos testes do UOL, foi desligada a rede Wi-Fi corporativa --para evitar forte interferência-- e criado um ponto de rede novo para ser conectado ao roteador. Com o aplicativo Wifi Analyzer, pudemos perceber a força do sinal em diferentes pontos do andar da redação, que tem 617 m² --a D-Link promete bom desempenho do produto em até 200 m², bem menos que a área física do nosso teste.

Apesar de ter contado com algumas quedas rápidas, causadas dessa vez pela interferência de toda a região em que fica o prédio --na avenida Brigadeiro Faria Lima, importante área comercial de São Paulo-- o sinal da rede alimentada pelo roteador permaneceu mais alto que os outros Wi-Fi detectados, com perda de apenas -30 dBm (decibel miliwatt, unidade de medida de transmissão de redes sem fio).

Com outro aplicativo, o Speedtest, pudemos avaliar como ficam a latência e a velocidade de upload e download dessa rede Wi-Fi. Latência é o período de resposta da rede a um envio de dados: portanto quanto menor o valor, melhor. Os resultados também foram ótimos: foram de 4 a 6 milissegundos. Na velocidade de upload, foi de 23 a 75 Mbps, enquanto na de download, mediu de 62 a 111 Mbps. 

Divulgação
Curiosamente, os melhores índices foram alcançados estando mais longe do roteador. Talvez suas oito antenas trabalhem melhor sob certas distâncias.  É importante frisar que a redação é composta por vários módulos de trabalho mas com poucas paredes, o que pode ter ajudado o sinal.

Mesmo quando a rede corporativa Wi-Fi foi religada, os índices caíram sob a forte interferência mas continuaram bons: 7 milissegundos de latência, 2,16 Mbps de upload e 71,86 Mbps de download.

Também testamos vários usuários simultâneos. A D-Link fala que o DIR-895L aguenta até 50 dispositivos conectados simultaneamente. Não foi possível chegar a esse máximo de aparelhos no teste, mas com até 12 aparelhos a rede funcionou sem problemas.

Um ponto negativo é que você precisa ter um bom espaço sobrando para um roteador tão grande: são 1,7 cm (comprimento), 26,27 cm (altura) e 14,96 cm (largura), mais ou menos o dobro de dimensões de um roteador convencional. Mas é aquilo: se você tem grana sobrando para adquirir um aparelho desses, é provável que você tenha pensado em um ponto espaçoso e bem localizado para ele.
 
 
 
Fonte: Uol

 
Indique esta notícia Indique esta notícia para um amigo

Início Notícias  | Voltar