Página Inicial



twitter

Facebook

  Notícia
|

 

APPLE E GOOGLE QUEREM QUE VOCÊ PAGUE POR ASSINATURA EM APPS

11/06/2016

iphone app store
 
 

Dias antes da WWDC, a Apple anunciou uma grande mudança para a App Store: todos os desenvolvedores poderão oferecer apps por assinatura. O Google vai fazer o mesmo no Android.

Isso significa que haverá uma opção a mais para desenvolvedores ganharem dinheiro, além de anúncios, pagamentos únicos e pagamentos in-app. O que isso significa para os usuários?

No caso da Apple, os desenvolvedores receberão 70% da assinatura no primeiro ano do app, e 85% nos anos seguintes. Isso começará a valer a partir da semana que vem. O Google pretende oferecer 85% da assinatura aos desenvolvedores assim que lançar esse recurso – que ainda não tem data para chegar.

Como funciona

Não quer dizer que todo app pago vai adotar uma assinatura mensal ou anual. Phil Schiller, vice-presidente de marketing da Apple, explica ao The Verge que isso será útil para alguns tipos específicos de app:

Schiller sugere que muitos apps corporativos poderiam mudar para assinaturas, assim como apps profissionais que exigem “bastante manutenção de novos recursos e versões”. Jogos que já têm um programa de assinatura, ou que têm um mundo massivo online que requer atualizações, também podem usar isso.

De acordo com a consultoria App Annie, 75% da receita global da App Store vem de jogos. Quase todos os games mais rentáveis são free-to-play e oferecem compras in-app – daqui em diante, eles podem oferecer assinaturas de itens virtuais também.

Schiller nota que a assinatura de apps terá proteções ao consumidor. Por exemplo, se o valor aumentar, você precisa aceitar o preço maior – senão a assinatura é cancelada, em vez de ser renovada automaticamente.

Também haverá uma página específica para gerenciar assinaturas em apps; e será possível cobrar preços diferenciados dependendo do país – uma assinatura pode sair mais barata no Brasil que nos EUA, por exemplo.

Teste gratuito

Isso também permitirá aos desenvolvedores oferecer períodos gratuitos de teste no iOS. Você poderá ter até 7 dias gratuitos no caso de assinaturas mensais, e até 30 dias no caso de uma assinatura anual.

Apps pagos, por outro lado, não podem oferecer trial gratuito (o desenvolvedor tem que criar uma versão “Free”) e não dão direito a reembolso – o que desestimula compras, já que a qualidade do app a ser comprado é incerta.

24% dos downloads são pagos no iOS, com preço médio de apenas US$ 1,00. Há cinco anos, 63% dos downloads eram pagos a um preço médio de US$ 3,64. Isso mudou devido a dois fatores: maior concorrência entre apps – há mais de um bilhão – e vendas de iPhones e iPads em queda.

No Android, ao adquirir um app pago na Play Store, você tem duas horas para tocar no botão Reembolso e reaver seu dinheiro. Se estourar esse prazo, você ainda tem 48 horas para preencher um formulário de reembolso. De acordo com a AppBrain, menos de 10% dos apps na Play Store são pagos.

Enquanto isso, a loja do Windows oferece opções “Comprar” e “Testar” desde 2011, correspondendo às versões paga e gratuita de um mesmo app.

Receio

Desenvolvedores estão receosos quanto a assinaturas na App Store. Um dos problemas é que a Apple só vai aprovar apps com assinaturas que “fizerem sentido”. Isso significa que “a experiência deve fornecer valor contínuo para cobrar um pagamento recorrente de uma assinatura renovável automaticamente” – o que não é claro o bastante.

Na prática, o desenvolvedor que quiser implementar assinaturas no app terá que fazer isso e torcer que a Apple o aprove. John Gruber, do Daring Fireball, explica:

Isso é ruim o bastante para um app existente cujo desenvolvedor queira mudar para uma assinatura. Mas essa incerteza é absolutamente insustentável para um app novo cujo desenvolvedor veja a assinatura como o único modelo sustentável de negócios para justificar o próprio desenvolvimento do app.

E isso também pode ser problemático para usuários. Se você deixar de pagar por uma assinatura, o que acontece com o app? Isso deve variar de caso para caso: se o app for gratuito e tiver assinatura, ele perderia recursos; se exigir assinatura para ser instalado, ele talvez pare de funcionar.

Gruber diz:

Se parar de pagar apenas interrompesse futuras atualizações do app], seria uma boa ideia, mas tenho certeza que a App Store não permite isso e nunca permitirá. Um bom efeito colateral de downloads pagos é que você pode continuar usando uma versão antiga de um app até que ele tecnicamente não rode mais, por causa de uma atualização do sistema operativo ou algo parecido…

Eu, pessoalmente, tenho alguns apps em versões que felizmente ainda funcionam para mim. Mas esta é a forma na qual a economia do software está se movendo. Ninguém espera que uma assinatura de um serviço online continue a funcionar se você deixar de pagar por ele.

A Adobe cobra assinatura de programas como Photoshop e Illustrator; e a Microsoft faz o mesmo com o pacote Office. Será que apps do iOS e Android poderão fazer o mesmo?
 
 
 
Fonte: Gizmodo

 
Indique esta notícia Indique esta notícia para um amigo

Início Notícias  | Voltar