Página Inicial



twitter

Facebook

  Notícia
|

 

O DISPOSITIVO DE REALIDADE VIRTUAL DA VALVE CHEGA ÀS LOJAS EM ABRIL POR US$ 799

22/02/2016

htc vive 2016 (1)

Finalmente temos os detalhes finais sobre o headset de realidade virtual da Valve, o HTC Vive. Ele estará disponível em pré-venda a partir de 29 de fevereiro, e chegará às prateleiras no início de abril.

O Vive custará salgados US$ 799 – ainda mais caro do que o Oculus Rift, que começa em US$ 599.

Por esse preço, além do headset, você leva dois controles especiais sem fio para ambas as mãos, dois sensores para pendurar na parede que controlam sua posição, e o hub que recolhe todos os dados e os envia para seu PC. O sistema também virá com dois jogos: Job Simulator e Fantastic Contraption.

Há algumas pequenas melhorias e novos recursos no HTC Vive. O headset agora tem um microfone, e a ergonomia nas tiras que vão ao redor da cabeça foi amplamente melhorada, de acordo com a HTC.

Além disso, as duas pequenas unidades que monitoram seu movimento agora não têm mais fios; antes, elas eram muito volumosas e tinham fios.

htc vive 2016 (3)

O Vive será lançado em abril nos seguintes países: EUA, Canadá, Reino Unido, Alemanha, França, Áustria, Bélgica, República Checa, Dinamarca, Finlândia, Islândia, Itália, Holanda, Noruega, Polônia, Espanha, Suíça, Irlanda, Suécia, Taiwan, China, Japão, Austrália e Nova Zelândia.

Estas são as especificações de PC recomendadas para usar o Vive:

– placa de vídeo: equivalente à NVIDIA GeForce GTX 970, AMD Radeon R9 290 ou melhor
– processador: Intel i5-4590/AMD FX 8350 ou melhor
– RAM: 4 GB ou mais
– saída de vídeo: HDMI 1.4, DisplayPort 1.2 ou mais recente
– portas: 1x USB 2.0 ou melhor
– sistema operacional: Windows 7 SP1, Windows 8.1 ou Windows 10

htc vive 2016 (4)

O HTC Vive foi desenvolvido em parceria com a Valve, e apareceu pela primeira vez na última feira Mobile World Congress. Ele estava previsto para ser lançado no ano passado, o que não aconteceu – o prazo foi adiado para o início de 2016.

O headset coloca uma tela de 1200×1080 pixels em cada olho, com taxa de atualização de 90 Hz; e transmite os movimentos do seu corpo para dois sensores que você pendura na parede em um ângulo de 90 graus.

Os sensores não são câmeras, e sim receptores: eles recebem lasers emitidos pelos pontos espalhados na superfície do headset e dos controles, permitindo detectar a posição do seu corpo e das suas mãos. Eles podem cobrir uma área de até 4,6 × 4,6 metros. Isso permite andar pela sala interagindo com a realidade virtual, apesar de o HTC Vive ser conectado a um hub por cabos de 5 m.

Quando você se aproxima dos limites da área coberta (ou de uma parede), surge uma grade azul avisando que você está próximo de sair da realidade virtual (ou de bater a cabeça). Também há um modo Chaperone que usa a câmera Full-HD embutida na frente do headset: ela projeta o mundo real na frente dos seus olhos.

Nós testamos o HTC Vive melhorado em janeiro, na feira CES. O headset – feito para desenvolvedores e chamado de Vive Pre – evoluiu desde o ano passado, e parece muito mais um produto de consumo finalizado.

Há um ano:

HTC Vive - hands-on (3)

Hoje:

htc vive 2016 (5)

Eu o achei muito confortável de usar, embora o peso certamente seja perceptível depois de um tempo. E, claro, o headset tem fios saindo dele, então não é como se você estivesse em outra dimensão.

Os controles também ganharam refinamentos no visual. A ergonomia foi melhorada com margens e texturas melhores, mas o princípio básico é o mesmo: uma grande varinha com touchpad circular e um gatilho para cada mão.

Há um ano:

HTC Vive - hands-on (5)

Hoje:

htc vive 2016 (6)

A Nvidia fez uma demonstração da experiência Everest VR, que leva você a uma viagem de realidade virtual até a montanha mais alta da Terra. Parece um documentário da National Geographic, com narração e tudo, mas inclui interatividade.

A parte mais atraente do Everest VR é quando você é convidado a acompanhar guias Sherpa para atravessar uma ponte improvisada e traiçoeiramente estreita ao longe de uma queda cavernosa.

Os gráficos são excelentes, e o que realmente vende a experiência são os detalhes. Quando você olha para os controles reprojetados, você vê pequenas luvas. Antes de cruzar a ponte, você pega um par de ferramentas de ascensão que estão ligadas a cabos de cada lado. Então você anda. E você anda muito devagar e com cuidado, com medo de cair e morrer.

É possível morrer nesta experiência se você sair do caminho? Não tenho ideia, porque eu não tinha a intenção de descobrir! À medida que você anda na ponte, os controles vibram, dando a sensação de que a qualquer momento uma rajada de vento vai levar você embora.

htc vive 2016 (2)

No geral, a experiência foi perfeita. Depois de um pequeno engasgo quando eu coloquei o headset, o sistema funcionou como planejado. O rastreamento de posição do meu corpo e dos controles pareceu realista.

Eu nunca fiquei desorientado durante a demonstração, e graças a uma grade que aparece quando você está perto da parede, eu nunca senti como se estivesse prestes a colidir com ela. Eu não passei pelo enjoo que tive antes no Oculus Rift, numa aventura semelhante em realidade virtual.

Os gráficos ainda têm o “efeito tela mosquiteira” (screen door effect), no qual você consegue ver tudo nitidamente, mas ainda percebe o espaço entre os pixels. No entanto, a taxa de atualização era tão rápida que eu podia girar minha cabeça sem as imagens engasgarem. (Claro, o Vive estava conectado a um sistema potente da Nvidia que permitia realizar este tipo de processamento gráfico.)

O HTC Vive é um concorrente real para o Oculus Rift, mas resta ver se o preço salgado não irá impedir sua adoção por um público maior.
 
 
 
Fonte: Gizmodo

 
Indique esta notícia Indique esta notícia para um amigo

Início Notícias  | Voltar