Página Inicial



twitter

Facebook

  Notícia
|

 

METAS DE QUALIDADE DE BANDA LARGA EXIGIDAS PELO GOVERNO SÃO IMPRATICÁVEIS

01/12/2015

Durante o 29º Seminário ABDTIC, realizado nesta segunda-feira 30/11, em São Paulo, a qualidade da banda larga ofertada ao consumidor brasileiro provocou divergência entre o governo e as empresas privadas. O Secretário de Telecomunicações do Ministério das Comunicações, Maximiliano Martinhão, fez críticas à qualidade e lembrou que o indicador da Anatel, divulgado em novembro, mostra que houve uma queda de 59,5% do atendimento das metas no primeiro semestre na banda larga fixa.

De acordo com relatório da Anatel - publicado no dia 19 de novembro - este percentual ficou abaixo dos índices de cumprimento de metas verificados durante os anos de 2012 (70,94%), 2013 (70,55%) e 2014 (67,85%).Os indicadores que se destacaram com o maior percentual de descumprimento de metas, no primeiro semestre de 2015, foram o de perda de pacote (29,8% das medições ficaram na meta) e o de solicitações de reparo (apenas 12,9% das medições ficaram na meta).

Para Martinhão, a queda do serviço prova a necessidade de uma mudança no marco regulatório e a centralização do debate na oferta da banda larga. "É prioridade do governo. "Sem telecomunicações esse país não vai andar. É preciso pensar o modelo porque as economias que vão conseguir superar as disputas mundiais são àquelas que vão ter infraestrutura de banda larga de qualidade. E hoje o Brasil não está nesse time", ressaltou.

A posição do Secretário de Telecomunicações do Minicom desagradou ao diretor de Assuntos Regulatórios da Embratel Claro, Gilberto Souto Mayor. Ele afirmou que as metas de qualidade de banda larga determinadas pela Anatel são inexequíveis pelas operadoras e, por isso, elas não foram e não serão cumpridas. "São tantas exigências que afetam a qualidade do serviço", afirmou.

Para Souto Mayor, se as agência e o governo dessem um prazo de um ano às empresas - sem metas e imposições - o índice de qualidade teria sensível melhoria. "Vamos deixar as empresas trabalharem e definirem as regras do atendimento. Tenho convicção que a qualidade vai melhorar", completou.
 
 
 
Fonte: Convergencia Digital

 
Indique esta notícia Indique esta notícia para um amigo

Início Notícias  | Voltar