Página Inicial



twitter

Facebook

  Notícia
|

 

MAIORIA ACHA MAIS GRAVE VAZAMENTO DE DADOS FINANCEIROS DO QUE FOTOS NUAS

17/11/2015

A maioria dos que usam smartphones – segundo uma pesquisa feita em 11 países, inclusive o Brasil – prefere ter fotos nuas expostas do que as suas informações financeiras. O entendimento é de que as consequências são maiores e duram por mais tempo no caso do vazamento de dados bancários.

A maior proporção foi vista nos Estados Unidos – 76,3% “preferem” vazamentos de nudes do que as informações financeiras. O percentual para 72,3% no Reino Unido e Alemanha; 68,5% na Índia; 67% na França; 64,8% na Rússia; 61,5% na Espanha e na República Tcheca.

Já para os três países latino-americanos incluídos na pesquisa, Brasil e México (52,7%) e Argentina (51,2%), foram onde os entrevistados indicaram um quase equilíbrio no campo das supostas preferencias por violações de intimidade ou privacidade.

A pesquisa foi feita em outubro com 23,5 mil donos de smartphones nos 11 países mencionados. Ela foi realizada por telefone pela Avast. Mas ressalta-se que a preocupação com a privacidade não encontra respaldo em precauções simples. “Mais de 40% dos entrevistados sequer adota como prática bloquear o telefone [com senha]”. No Brasil, apenas 38,9% disseram bloquear o aparelho.

Não só isso. Até mesmo o suposto receio mais forte de ter dados financeiros vazados é duvidosa: A pesquisa concluiu que é mais comum as pessoas bloquearem acesso aos aplicativos de fotos do que aos aplicativos de serviços bancários.

Em boa parte dos países, a principal preocupação é com o vazamento de dados por atos de cibercriminosos. Mas em países como o Brasil, Argentina, França, Índia e Rússia, as mães são as ‘espiãs’ mais preocupantes. O principal aplicativo ‘protegido’ é o Whatsapp, seguido da galeria de fotos, Facebook, navegadores, arquivos e contatos.

"Você bloqueia o celular?"

Espanha         87,6%

França           79,6%

Alemanha       79,8%

Rep.Tcheca     69,2%

Rússia             67,3%

EUA                 65,4%

Índia               63,5%

Reino Unido    46,2%

Brasil              38,9%

México            31,6%

Argentina       27,1%
 
 
 
Fonte: Convergencia Digital

 
Indique esta notícia Indique esta notícia para um amigo

Início Notícias  | Voltar