Página Inicial



twitter

Facebook

  Notícia
|

 

VOCÊ CONTARIA À APPLE TODA VEZ QUE FAZ SEXO?

21/10/2015

Aplicativos de monitoramento da saúde começam a incluir espaços para saúde reprodutiva

Quando Apple lançou o iOS9, a nova versão de seu sistema operacional para smartphones, ele incluía uma nova função para mulheres -- a possibilidade de fazerem um diário de sua atividade sexual juntamente com detalhes de seus ciclos menstruais.

Uma versão anterior do seu programa HealthKit -- que monitora desde a atividade eletrodérmica, a condutividade elétrica da pele, até o nível de glicose no sangue -- ainda não tinha essa opção, voltada para mulheres.

Outros aplicativos ofereciam serviço semelhante, mas a Apple -- e outras empresas fabricantes de celulares -- foram acusadas de não darem atenção suficiente à saúde das mulheres.

O aplicativo da Samsung, S Health, e o do Android, Google Fit, ainda não incluíram a mesma opção, mas parece ser apenas uma questão de tempo até que o façam.

Mulheres que estão tentando engravidar costumam monitorar uma série de sinais de saúde para entender completamente seu ciclo mensal e ficar a par de seu período mais fértil no mês -- da mesma forma que um maratonista monitoraria os seus tempos e as respostas de seu corpo.

De acordo com a Apple, os usuários decidem que informações serão adicionadas ao aplicativo de saúde e que outros aplicativos podem ter acesso àqueles dados. Cada um destes aplicativos, criados por terceiros, precisa ter políticas de privacidade.

Planejamento familiar

Quando os telefones estão bloqueados, os dados sobre saúde ficam criptografados. Se os usuários escolherem guardá-los no iCloud, este arquivo é criptografado também.

"Muitas pessoas estão monitorando dados que ajudam a planejar uma família", diz Ricky Bloomfield, um médico na Universidade Duke que desenvolve testes do HealthKit com seus pacientes.

"O impacto de dar a esses usuários ferramentas para fazer isso com mais precisão pode ser significativo."

As novas categorias que podem ser monitoradas incluem:

Atividade sexual, incluindo se algum tipo de método contraceptivo foi utilizado;

Temperatura corporal;

Qualidade do muco cervical;

Menstruação;

Testes de ovulação;

Sangramento.

Nathaniel DeNicola, ginecologista da Universidade de Pensilvânia, disse que a tecnologia para monitorar dados da saúde reprodutiva tem o poder de ajudar as pessoas a ter mais controle de sua saúde e a se comunicarem melhor com seus médicos.

Para os ginecologistas, os dados sobre o último período menstrual são vitais antes de uma consulta e, se as mulheres têm essa informação à mão ao entrar nos seus celulares, ela pode ser mais precisa, segundo DeNicola.

"É quase onipresente agora que mulheres tenham aplicativos para monitorar sua gravidez", afirma.

"Não há estudos comprovando que estes aplicativos aumentam as chances de engravidar ou ajudam a curar doenças, mas este tipo de registro digital pode ajudar na memória do paciente."

DeNicola afirma, no entanto, que aplicativos de monitoramento da saúde costumam "ter limitações inerentes".

Tara Culp-Ressler, jornalista baseada em Washington que acompanha assuntos sobre saúde reprodutiva, disse que o anúncio da Apple é uma mudança importante na maneira como a saúde da mulher tem sido tratada.

"Mesmo que mulheres achem que é um aplicativo inútil comparado com outros que já existem, é bom ver uma companhia tão grande -- e que já foi criticada no passado -- fazendo mudanças e afirmando que a saúde e a higiene da mulher são partes integrais da saúde."

"Órgãos reprodutivos são apenas outra parte do corpo que alguém pode querer monitorar, assim como os batimentos cardíacos e os padrões de sono. E essa mensagem vindo da Apple é importante", afirma Culp-Ressler.
 
 
 
Fonte: Uol

 
Indique esta notícia Indique esta notícia para um amigo

Início Notícias  | Voltar