Página Inicial



twitter

Facebook

  Notícia
|

 

COMO CIENTISTAS TENTAM HACKEAR SEU SISTEMA NERVOSO PARA COMBATER DOENÇAS CRÔNICAS

08/06/2015

Quando Maria Vrind, uma ex-ginasta de Volendam, na Holanda, descobriu que a única forma dela conseguir colocar as meias pela manhã era deitando de costas com as pernas para o ar, ela teve que aceitar que havia chegado ao seu limite. “Eu tinha ficado tão dura que não conseguia levantar”, ela disse. “Foi um grande choque porque eu sempre fui uma pessoa bastante ativa.”

Isso foi em 1993. Vrind estava com mais de 40 anos e trabalhava em dois empregos, como treinadora de atletismo e prestadora de cuidados para deficientes físicos, mas seu estado de saúde começou a tomar conta da sua vida. “Eu precisei largar meus empregos e procurar por outros conforme enfrentava cada vez mais problemas.”

Quando foi diagnosticada, sete anos depois, ela sofria dores fortes e não conseguia mais andar. As articulações dos seus joelhos, tornozelos, pulsos, cotovelos e ombros estavam inflamadas. Era artrite reumatoide, uma doença autoimune comum mas incurável, na qual o corpo ataca suas próprias células — neste caso, as do revestimento das articulações — causando inflamação crônica e deformidade óssea.

Salas de espera em clínicas de artrite reumatoide costumam estar cheias de pessoas em cadeiras de rodas. Isso não acontece mais tanto agora por causa de uma série de medicamentos, chamados biofarmacêuticos – proteínas geneticamente modificadas criadas para fins específicos – que podem ajudar bastante. Nem todo mundo se sente melhor, no entanto: mesmo em países com bons sistemas de saúde, ao menos 50% dos pacientes continuam a sofrer com os sintomas.
 

Assim como muitos outros pacientes, Vrind tomou uma série de medicamentos diferentes, incluindo analgésicos, um remédio para câncer chamado metotrexato para amortecer todo o seu sistema imunológico, e biofarmacêuticos para bloquear a produção de proteínas inflamatórias específicas. Os medicamentos faziam bem o seu trabalho – ao menos, até um dia de 2011, quando eles pararam de funcionar.

“Eu estava em férias com a minha família e minha artrite de repente ficou terrível e eu não conseguia mais andar – minha nora precisou me dar banho.” Vrind foi para um hospital, onde passou a receber terapia intravenosa e outro medicamento contra o câncer, um voltado para seus glóbulos brancos. “Ajudou”, ela admite, mas ela não confiava muito no medicamento a longo prazo.

Felizmente, ela não precisou disso. Enquanto aceitava uma vida com deficiência e quimioterapia mensal, um novo tratamento estava sendo desenvolvido, e seria capaz de mudar profundamente nosso entendimento de como o cérebro e o corpo interagem para controlar o sistema imunológico.

Isso permite uma nova abordagem no tratamento de artrite reumatoide e outras doenças autoimunes, usando o sistema nervoso para modificar a inflamação. Isso permitiria até pesquisas sobre como podemos usar nossa mente para evitar doenças.

E, como acontece com muitas grandes ideias, ela veio de uma fonte inesperada.

 
 
 
Fonte: Gizmodo

 
Indique esta notícia Indique esta notícia para um amigo

Início Notícias  | Voltar