Página Inicial



twitter

Facebook

  Notícia
|

 

NA VERDADE, O GIZ USADO NAS LOUSAS NÃO É EXATAMENTE GIZ

11/05/2015

q7wxc1v3igly8nvzbjjl

Presente em muitas salas de aula desde o século XIX, giz e lousa são familiares para a maioria de nós. Branco, poroso e propenso a se fixar nas superfícies onde é colocado (e igualmente fácil de limpar), o giz e o quadro que o acompanha são excelentes ferramentas de ensino. Entretanto, a maior parte do giz de hoje tecnicamente não é giz, mas sim gipsita.

Giz e gipsita são extraídos da natureza desde os tempos antigos. O giz (carbonato de cálcio) foi encontrado em pinturas rupestres que datam de 40.000 a.C., enquanto a gipsita (sulfato de cálcio) tem sido usada como uma argamassa para construção desde o início da civilização, sendo encontrada até mesmo nas pirâmides egípcias.

Similares mas distintos, o giz é uma base (um composto alcalino que neutraliza ácidos) feito de cálcio e de oxigênio combinado com carbono (CaCO3), ao passo que a gipsita é um sal (um produto da reação de neutralização entre uma base e um ácido), composto por cálcio e oxigênio combinado com enxofre.

Acredita-se que ambos se formam de maneira semelhante. O giz é um depósito de calcário criado à medida que os seres do plâncton (organismos marinhos minúsculos) concentram cálcio em seus corpos, enquanto vivos, até morrerem e liberarem a substância, que vai se depositar no fundo dos oceanos; ao longo de milênios, grandes depósitos são formados e, à medida que os mares recuam, depósitos de giz permanecem.
 

As origens da gipsita são semelhantes, mas além de ser composta pelo cálcio produzido pelas mortes de milhões de plânctons, ela também contém um pouco do sal que foi deixado para trás quando o oceano evaporou.

Tradicionalmente, o giz era usado para desenhar e escrever e, até o final do século XVIII, com os avanços da extração de ardósia (a ardósia era originalmente usada para tábuas de escrita e lousas), tábuas de escrita cobertas com letras, símbolos, números e figuras de giz eram comuns. A gipsita, por outro lado, tinha sido utilizada principalmente na construção, tal como acima mencionado para a argamassa, bem como na fabricação de janelas.

No entanto, ambos são suscetíveis a um processo que produz riscos que, quando pressionado contra certas superfícies, deixam marcas laváveis.

Depois de extraídos, cada um deles é triturado, moído, lavado e peneirado. A gipsita também tem de ser desidratada, num processo que envolve elevadas temperaturas para reduzir o seu teor de água de cerca de 21% para cerca de 5-6%; para fazer giz da sala de aula, o material é misturado novamente com água (e pigmentos coloridos, se desejado), e para produzir cores mais exóticas, tais como as utilizadas para desenhos artísticos, pigmentos e argilas ou óleos também são adicionados. Para o primeiro, o giz é assado; já para o último, ele é seco com ar.
 

Não está claro por que a gipsita substituiu o giz para escrever sobre quadros negros (que hoje são quase sempre verdes, mas isso é outra história). Embora historicamente o giz tenha sido notavelmente difícil de lidar, métodos de fabricação modernos que incluem cozinhar o giz e revesti-lo com produtos como goma-laca reduziram o problema para ambos os materiais.

A razão mais provável é que a gipsita é abundante, facilmente extraída e transformada em enormes quantidades. O mineral é extraído em mais de 90 países, incluindo Canadá, México, Espanha e Estados Unidos. Em os EUA, 19 estados (principalmente Califórnia, Iowa, Nevada, Oklahoma e Texas) têm operações de mineração de superfície, e país sozinho produz mais de 30 milhões de toneladas de material por ano.

Às vezes chamada de “a rocha que ninguém conhece”, a gipsita facilmente pode ser transformada em um pó fino (por desidratação), enquanto também tem a notável qualidade de ser “a única substância natural que pode ser restaurada ao seu estado rochoso original apenas por adição de água.”

Como pode ser reconstituída, pode ser moldada em uma miríade de formas e modificada para várias utilizações. As aplicações comuns incluem gesso de Paris, criação de moldes de argila a partir dos quais uma grande variedade de produtos de plástico são formados (como copos plásticos e placas), fabricação de vidro, como um ingrediente no cimento e no drywall (esta última tem sido uma bênção para a humanidade, já que a gipsita é naturalmente resistente ao fogo).
 
 Não tóxica, a gipsita também aparece em fertilizantes e adubos, produtos de cabelo, para fazer moldes de dentes, para cultivar cogumelos, fermentação de cerveja e dar liga ao tofu (e também tem a vantagem de transformar este tipo de queijo em uma fonte excelente de cálcio).
 
 
 
Fonte: Gizmodo

 
Indique esta notícia Indique esta notícia para um amigo

Início Notícias  | Voltar