Página Inicial



twitter

Facebook

  Notícia
|

 

BUSCA DE DIVERSIDADE DA INTEL DEVERIA MIRAR MUDANÇAS INTERNAS

21/01/2015

Quando a Intel disse neste mês que iria gastar 300 milhões dólares no aumento da diversidade em sua força de trabalho, o Vale do Silício elogiou o plano da empresa de ajudar mais mulheres e minorias a estudar ciência da computação e engenharia.

Mas olhar em demasia para o lado externo, uma tática frequente de empresas de tecnologia que buscam mudar a sua força de trabalho, irá beneficiar a fabricante de chips menos do que trabalhar sobre o que acontece dentro da Intel, afirmam especialistas defensores da diversidade.

O presidente-executivo da Intel, Brian Krzanich, surpreendeu uma multidão em sua maioria do sexo masculino na Consumer Electronics Show em Las Vegas, revelando uma meta de 2020 para que a Intel empregue mais mulheres e minorias.

A diversidade tornou-se um grande problema corporativo nos Estados Unidos, com empresas buscando melhorar sua imagem e aumentar a produtividade com novos grupos de potenciais empregados. O esforço da Intel é um dos maiores até agora pelo dinheiro investido.

O Vale do Silício tem um histórico sombrio em empregar minorias, e a Intel não é uma exceção: apenas um quarto dos seus funcionários nos EUA em 2013 eram mulheres e 12 por cento eram hispânicos ou afro-americanos. Em comparação, cerca de um terço dos bacharelados em computação e matemática são mulheres, de acordo com a National Science Foundation.

"Eles estão culpando a oferta de mão de obra para suas próprias falhas", disse Vivek Wadhwa, autor de "Innovating Women" (Inovando Mulheres), observando que muitas empresas de tecnologia já não consideram diplomas, de qualquer tipo, incluindo ciência da computação, um requisito para o emprego.

"Se homens de qualquer tipo podem entrar (em empresas de tecnologia), por que as mulheres precisam ter diploma de ciência da computação?", questionou Wadhwa. "Essa é uma desculpa."

Ele e outros dizem que as empresas de tecnologia deve olhar para dentro, trabalhando para tornar-se atraentes para mulheres qualificadas e candidatos de minorias que evitam ou abandonam carreiras de tecnologia.

De todos os diplomados em ciências e engenharia, apenas cerca de 31 por cento dos homens e 15 por cento das mulheres trabalham em ocupações relacionadas a essas áreas, de acordo com o Escritório de Estatísticas dos EUA. Apenas 17 por cento dos afro-americanos com cursos científicos e técnicos vão para empregos relacionados.
 
 
 
Fonte: Uol

 
Indique esta notícia Indique esta notícia para um amigo

Início Notícias  | Voltar