Página Inicial



twitter

Facebook

  Notícia
|

 

NOVOS DOCUMENTOS PUBLICADOS MOSTRAM QUE GOVERNO AMERICANO PODIA ´GRAMPEAR´ CHAMADAS DE SKYPE

05/01/2015

Um documento publicado pela revista alemã Der Spiegel comprovava que a Agência de Segurança Nacional (NSA) dos Estados Unidos tinha acesso total aos dados enviados via Skype. As informações foram vazadas no último domingo (28/14) pelo ex-integrante do órgão governamental, Edward Snowden. A agência tinha acesso completo e em tempo real às chamadas de voz, vídeo, mensagens de texto e arquivos compartilhados entre usuários.

O acesso, autorizado legalmente pela Corte de Vigilância de Inteligência Estrangeira, fazia parte do programa de vigilância PRISM da NSA. As razões pelas quais as informações podiam ser obtidas foram publicadas num documento datado em agosto de 2012, nomeado "O Guia do Usuário para Coleta de PRISM no Skype". O arquivo detalhava o processo de captura de comunicação realizado pelo sistema NUCLEON, que permitia busca por palavras em gravações de chamadas de voz. Além disso, nele também estão meios de encontrar mensagens de texto "grampeados" pela base de arquivos PINWALE.

A captura total de tráfego de voz começou em fevereiro de 2011, para chamadas entre duas contas de Skype ou chamadas entre o programa de VoIP e um celular através de rede pública de telefonia comutada. Em julho de 2011, a NSA acrescentou a capacidade de capturar tráfego P2P de chamadas Skype ao programa de vigilância, descriptografando com chaves fornecidas pela Microsoft através de mandados emitidos pelo PRISM.

Com a capacidade de descriptografar, a NSA passou a ser capaz de acompanhar qualquer dado de um sistema em questão que fosse enviado pelo Skype. Segundo o guia, como o programa de VoIP não possui servidores centrais, eles poderiam ser enviados por uma rede de malha onde os usuários se conectam através de links peer-to-peer. Mensagens instantâneas enviadas para esse grupo conectado de participantes poderiam ser roteadas através de qualquer computador na rede de malha. Se um deles estivesse sendo monitorado, todo o texto seria capturado.

Inicialmente, os analistas da NSA precisavam conectar os dois canais de voz pois eles eram enviados através de streamings diferentes. Entretanto, um serviço acrescentado em agosto de 2012 pelos Serviços de Criptoanálise e Exploração automaticamente unia as duas comunicações. No que diz respeito à vídeo, porém, os analistas precisavam procurar pelo streaming separado do áudio, combinando-os através de uma ferramenta chamada Digital Network Intelligence Presenter (DNIP).

 Fonte: Adrenaline

 
Indique esta notícia Indique esta notícia para um amigo

Início Notícias  | Voltar