Página Inicial



twitter

Facebook

  Notícia
|

 

SAIBA COMO UMA EMPRESA ´FALSIFICA´ AS SCREENSHOTS DE UM GAME

27/11/2014

 
 

Todo grande lançamento de jogo vem acompanhado das capturas de tela oficiais, que devem ser vistas com um pouco de descrença. Quem acompanha a indústria sabe: por mais que se diga que se tratem de screenshots reais, é sempre bom não levá-las muito a sério, porque a manipulação às vezes é gritante, para fazer o game parecer melhor do que realmente é.

Existem profissionais especializados neste tipo de trabalho. O Kotaku conversou com um artista especializado em transformar uma screenshot comum em uma “bullshot”, como é apelidada a captura que é obviamente manipulada. O nome vem da união das palavras “screenshot e “bullshit” (uma expressão usada para muitos fins, que também se aplica para determinar uma enganação).

Frank, pseudônimo do artista que prefere não ser identificado, diz ter trabalhado com vários tipos diferentes de consoles ao longo dos anos, com diferentes gerações de videogames de mesa e portáteis. A lista de pedidos para “ajeitar” em uma screenshot é longa:

- Objetos serrilhados que deviam ser “alisados”;
- Objetos ou efeitos que se sobrepunham sobre outros, como uma arma que fica mal posicionada na mão do personagem, deveriam ser alterados, desenhados ou removidos;
- Texturas borradas deveriam ser modificadas por outras de melhor qualidade, talvez extraídas até mesmo de fotografias;
- Objetos redondos que não parecessem redondos precisariam ser redesenhados
- Iluminação inconsistente deveria ser corrigida no Photoshop;
- Interface HUD do jogo deveria ser removida ou adicionada se necessário, às vezes até 100% fabricada para a captura;
- A imagem deveria ter a nitidez aumentada para ser usada em revistas ou outdoors;
- Jogos online deveriam ter o suposto nome do jogador aparecendo, para dar a impressão de que se tratava de um humano real jogando (o artista diz que ao menos neste caso havia um aviso sobre esta manipulação);
- Se a captura não tivesse uma um efeito de ambiente, como uma chuva ou um pôr-do-sol, o artista ficava responsável por inclui-lo na imagem.

Segundo Frank, o trabalho era maior em títulos para consoles portáteis, por causa dos serrilhados e texturas de baixa resolução, que dificultavam bastante o processo. Para games para consoles, que são em boa parte fotorrealistas, a maior parte do esforço envolvia efeitos e troca de texturas por outras retiradas de fotografias.

Por isso, uma das principais tarefas de Frank não era fazer objetos parecerem mais bonitos, mas sim reduzir sua qualidade. Como muitas texturas são literalmente roubada de fotos, fica a cargo do artista reduzir sua qualidade para dar a impressão de que ela foi produzida pelo motor gráfico do game. Existe aí uma corda bamba sobre a qual ele precisa caminhar: apresentar uma cena idealizada do jogo, ao mesmo tempo respeitando os limites do que um jogo de videogame realmente pode produzir.

O Kotaku propôs um desafio a ele: transformar uma captura aleatória do jogo Call of Duty: Advanced Warfare para PC em algo que a empresa divulgaria para o marketing do game. O resultado está logo abaixo:

Reprodução

A foto de cima é a natural, e a de baixo é tratada. Frank explica as diferenças:

-Ajustes de cores e iluminação;
- Suavização do fundo para criação de senso de profundidade;
- Mudar a posição da mão esquerda do soldado que estava “entrando” na arma, e redesenhar a arma, além de adicionar uma sombra sob a mão direita;
- Adição de sombras leves e um mapa de degradês;
- Uso de um filtro para fazer a imagem parecer mais nítida
- Adição de brilho à armadura do soldado
 
 
 
 
Fonte: Olhar Digital

 
Indique esta notícia Indique esta notícia para um amigo

Início Notícias  | Voltar