Página Inicial



twitter

Facebook

  Notícia
|

 

JOVEM COM TDAH CRIA APP PARA AJUDAR CRIANÇAS COM DIFICULDADE DE APRENDIZADO

20/10/2014

 

Laleska ao lado de seu professor. (Divulgação).
 
 
 

Ajudar crianças que tenham dificuldade cognitiva no processo de aprendizagem, este é o objetivo de um aplicativo desenvolvido para dispositivos móveis pela aluna Laleska Aparecida, de 18 anos, estudante do curso de engenharia de controle e automação do Instituto Federal do Amazonas (IFAM), Campus Manaus Distrito Industrial. O projeto está em exposição na 11⁰ Semana Nacional de Ciência e Tecnologia (SNCT), que ocorre até domingo, 19, no pavilhão do parque Sarah Kubitscheck, em Brasília, DF.

O aplicativo, que ainda não tem nome registrado, visa ajudar crianças das séries iniciais no processo de ensino-aprendizagem. A ideia é que ele possa futuramente servir como ferramenta pedagógica ao alcance de todos os professores e redes de ensino de forma gratuita. O projeto é coordenado pelo professor Diego Sales, da área de Eletrônica do IFAM.

A motivação de tudo veio justamente de uma situação adversa, um diagnóstico de Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH), que Laleska recebeu na infância, aos 8 anos de idade. A estudante afirma que ela e os pais sofreram com a falta de informação e com seu rendimento escolar muito abaixo da maioria dos colegas de classe.

“Meus Pais desconfiaram que havia algo errado, pois somente na segunda série do ensino fundamental que comecei a ler as primeiras palavras. Penso que assim como eu e minha família, milhões sofrem com a falta de orientação médica, muitos, inclusive, sem um diagnóstico clínico”, disse Laleska.

Porém, não são apenas os diagnosticados com TDAH e os familiares que sofrem com a falta de informação. Uma parcela importantes de professores das séries inicias não têm capacitação para trabalhar com esses alunos que, evidentemente, necessitam de atenção diferenciada.

“Vejo que na própria rede de ensino os professores e orientadores educacionais não são qualificados para trabalhar com um aluno que tenha dislexia. Muitas vezes esses alunos, nós, somos deixados de lado, taxados como preguiçosos, isso só nos prejudica e gera preconceito. Quero apenas que esse projeto possa ajudar muitas crianças”, destaca a jovem.

De acordo com a Associação Associação Brasileira do Déficit de Atenção (ABDA), o TDAH e a dislexia são situações mais recorrentes na infância, acometendo 5% das crianças, causando impactos diretos no rendimentos destes alunos, geralmente nas séries iniciais, nas relações sociais e também na família.

“A Laleska é um exemplo de dedicação e força de vontade, afinal, não se deixou abater pelo diagnóstico e conseguiu ingressar no curso técnico integrado em eletrônica do IFAM, e ao concluir o curso, ingressou no ensino superior, no curso de engenharia de controle e automação, áreas complexas e muito concorridas”, destaca o professor Gabriel Guerreiro, que acompanha a estudante na exposição do projeto na SNCT.
 
 
 
Fonte: Ne10
 
 

 
Indique esta notícia Indique esta notícia para um amigo

Início Notícias  | Voltar