Página Inicial



twitter

Facebook

  Notícia
|

 

APESAR DE PEDIREM ISENÇÃO, UM ANO DEPOIS TELES USAM POUCO AS FEMTOCÉLULAS

10/09/2014

Depois de dois anos de pedidos e pressões, a Anatel aprovou em outubro do ano passado, a isenção da taxa de fiscalização sobre as chamadas femtocélulas, equipamentos que, na prática, substituem a rede móvel por conexões fixas de banda larga. Mas em que pese os apelos das operadoras, praticamente um ano depois da medida ainda não há uso comercial dos equipamentos.

“O que temos são sete equipamentos homologados, mas ainda não temos dados sobre sua efetiva utilização. A julgar pelo que ouvi dos fabricantes, as operadoras ainda estão fazendo experiências”, revela o gerente geral de regulamentação da Anatel, Nilo Pasquali.

De fato, conforme indicou a diretora de negócios em banda larga móvel da Ericsson, Margarete Iramina, as empresas ainda não parecem estar convencidas das vantagens, apesar da desoneração. “Estamos fazendo alguns testes com as principais operadoras, mas por enquanto elas estão avaliando os custos, tendo como ideal garantir a cobertura, mesmo indoor, com as próprias macrocélulas.”

No momento, a agência tem sete modelos de equipamentos homologados – cinco da Alcatel, um da Ericsson e outro da Cisco. Vale lembrar que a agência limitou a isenção do Fistel a pequenas células com potência máxima de 1 Watt. Mas a diferença entre a força dos pedidos e o uso efetivo parece não animar o regulador a pedidos que ainda existem para ampliar esse limite para até 5 Watts.

“Discutir essa revisão é sempre possível. Mas temos um ano de regulamentação e não enxergo evolução nessa parte de prestação de serviço. E não vejo 1 Watt como limitador, porque nada impede uso de células de maior potência. Elas apenas não estariam enquadradas na regra de não licenciamento [e de isenção]”, diz Pasquali.
 
 
 
Fonte: Convergencia Digital

 
Indique esta notícia Indique esta notícia para um amigo

Início Notícias  | Voltar