Página Inicial



twitter

Facebook

  Notícia
|

 

DIAS CONTADOS PARA A NUVEM PÚBLICA NO BRASIL?

28/08/2014

 

Não há um modelo predominante de computação em nuvem no Brasil. As empresas menores tendem a usar a nuvem pública, enquanto as médias e as grandes dão preferência às nuvens híbridas. No entanto, a previsão é de que esse cenário mude entre dois anos e cinco anos. Existe uma tendência de migração gradual da nuvem pública em favor de uma grande variedade de modelos privado e híbrido.

Se os modelos privados internos e externos e os híbridos forem combinados, a estimativa é de que, até 2019, o padrão privado seja claramente a opção de 76% dos executivos brasileiros do segmento de TI. A nuvem pública "pura" seria a opção de 17% (caindo de 24% para 20% e, posteriormente, para 17%).

No cenário atual, entre os profissionais envolvidos em projetos de cloud  computing, e 26% afirmaram não ter nenhuma preferência por um modelo específico de nuvem.  A segunda opção é o uso da nuvem pública - o modelo mais atraente, com 24% . Em seguida vêm a privada, preferencialmente para as instalações da própria  empresa (18%), híbrida (18%, pública e privada) e privada gerenciada por terceiros (14%).

Os dados fazem parte do estudo Business Cloud in Brazil: Research Report 2014: At the tipping point of accelerated adoption ou “Nuvem corporativa no Brasil: Relatório da Pesquisa de 2014: No ponto crítico da adoção acelerada”,  coordenado pelo Grupo Capgemini. Trata-se de uma pesquisa com foco exclusivo no Brasil, para entender, no mercado local, a evolução da adoção dos modelos emergentes de infraestrutura corporativa e ambiente de aplicação na era da nuvem.

Sob a supervisão do Grupo  Capgemini, o levantamento foi realizado pela Coleman Parkes Research, empresa independente de pesquisa de mercado. Foram ouvidos 415 executivos de tecnologia (CIOs, diretores, líderes, gerentes de aplicações e gerentes de infraestrutura) de grandes e  médias empresas, públicas e privadas, instaladas no Brasil, entre março e abril de 2014. Os profissionais entrevistados fazem parte dos setores de Consumo, Varejo, Financeiro Manufatura, Energia e Telecomunicações e Governo.

"A tendência é que, em pouco tempo, a maioria das empresas passe a adotar a nuvem híbrida, devido à quantidade de aplicações e capacidade de armazenamento que podem ser processadas na nuvem pública", afirma o diretor de soluções integradas da Capgemini no Brasil, Gustavo Trevisan, um dos coordenadores da pesquisa. Confira a levantamento em  www.br.capgemini.com/businesscloudbrazil2014.
 
 
 
Fonte: Convergencia Digital

 
Indique esta notícia Indique esta notícia para um amigo

Início Notícias  | Voltar